Pressão popular

Governo do Cazaquistão renuncia após protestos contra alta no preço dos combustíveis

Manifestantes teriam invadido a prefeitura da maior cidade do país nesta quarta-feira

|
Manifestações na capital do país, Nursultan, foram dispersadas com bombas de efeito moral e gás lacrimogênio. - Ruslan Pryanikov / AFP

O presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokaev, aceitou nesta quarta-feira (05/01) a demissão do governo após uma onda de protestos em todo o país contra o aumento no preço dos combustíveis.

Continua após publicidade

A medida prevê a saída imediata do primeiro-ministro Askar Mamin e de todo o seu gabinete, deixando o vice-premiê Alikhan Smailov como líder interino do governo.

Continua após publicidade

O anúncio ocorreu horas após o presidente ter declarado estado de emergência e implementado um toque de recolher em Almaty, maior cidade do país, e na província de Mangystau, que devem durar até o dia 19 de janeiro.

Continua após publicidade

Segundo a emissora RT, manifestantes invadiram e atearam fogo no prédio da prefeitura de Almaty na manhã desta quarta-feira. A jornada de protestos chega ao 4º dia consecutivo.

Em nota, o governo da Rússia, país vizinho, apoiou a decisão do presidente de dissolver o governo cazaque e incentivou o diálogo entre as autoridades e a população.

"Estamos seguros de que nossos amigos cazaques podem resolver sozinhos seus problemas internos", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Início dos protestos no Cazaquistão

Os protestos no país, que tem no petróleo sua principal fonte de renda, começaram logo nos primeiros dias de 2022, quando o preço do litro do combustível passou de 50 tenge (cerca de R$0,60) para 120 tenge (cerca de R$1,50). Segundo as autoridades, o aumento ocorreu porque a partir de 1º de janeiro os preços do gás deixaram de ser regulados.

As primeiras manifestações ocorreram na cidade de Janaozen, no dia 2 de janeiro, se espalhando posteriormente na capital do país, Nursultán, e em mais cidades, incluindo Aktau, Almaty, Aktobé e Taldykorgan.

O governo, que inicialmente havia afirmado que a restauração dos preços anteriores era impossível devido às "leis do mercado", anunciou nesta terça-feira (04/01) uma redução do litro do combustível para 50 tenge na região onde os protestos começaram e também em Aktobé, embora não tenha conseguido conter a jornada de manifestações.

*Com Sputnik e RT