diversidade

No Mês da Visibilidade Trans, Programa Bem Viver destaca desafios de travestis e transexuais

Violência, exclusão social e transfobia são alguns dos principais desafios da comunidade trans no Brasil

Ouça o áudio:

Assassinatos de pessoas trans aumenta durante pandemia, segundo estudo - Lena Balk
Só se combate violência com política de Estado e não temos nenhuma neste momento

Combate a violência, inclusão social e fim do preconceito e da transfobia. Esses são alguns dos principais desafios da comunidade travestis e transexuais no Brasil, pelas quais movimentos populares de diferentes estados se mobilizam e resistem. As pautas ganham força ao longo do mês de janeiro, quando é celebrado o Dia Nacional da Visibilidade de Trans, comemorado oficialmente dia 29.

“Só se combate violência com política de Estado e não temos nenhuma definida em nível federal neste momento. As ações que os estados fazem são muito pontais e militarizadas”, disse a presidenta da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), Keila Simpson, em entrevista à edição de hoje (12) do Programa Bem Viver. “A pandemia acirrou a violência, mas falta de punição para os crimes ajuda que os assassinatos de trans continuem ocorrendo.”

O Dia da Visibilidade de Trans foi instituído em 2004, quando ocorreu a primeira mobilização organizada desta população para reivindicar direitos no Congresso Nacional. Um grupo de 27 pessoas de diferentes partes do Brasil se reuniu em Brasília levando a bandeira dos direitos de travestis transexuais. A campanha chamou atenção do governo federal, que atendeu a reivindicação do grupo.

Em seguida, o Ministério da Saúde formalizou o compromisso com a população LGBTQIA+ e criou um comitê técnico pra implantar programas voltados à promoção de saúde deste grupo. Desde então, essa é uma das principais data de mobilização da comunidade, que se transformou em um momento de celebração e de somar forças para o combate cotidiano à transfobia.

Neste ano, as mobilizações de 29 de janeiro ocorrerão pela segunda vez durante a pandemia de covid-19, com programação especial. “O importante é dar visibilidade, não sempre de forma festiva, mas visibilizando nossa resistência. É assim que vamos conseguir mostrar que essa data marca a nossa existência.”

Chuvas

Chuvas fortes e contantes causam estragos em diversas regiões do país. Ontem (11), a Defesa Civil do Rio de Janeiro divulgou que pelo menos 2 mil pessoas estão desalojadas e 350 desabrigadas em todo o estado. Várias regiões fluminenses registram áreas de inundações, deslizamentos, alagamentos e quedas de árvores.

Em Goiás, no município de Pirenópolis, o Rio das Almas transbordou e alagou parte da cidade, que fica a 130 quilômetros de Goiânia.

Já em Minas Gerais a situação segue crítica: o trânsito de veículos pelas estradas estaduais e federais está parcial ou integralmente interrompido em ao menos 121 pontos. Autoridades recomendam que a população só utilize as rodovias em caso de extrema necessidade.

Crimes ambientais em Minas

O governo de Minas Gerais multou a empresa siderúrgica Vallourec em R$ 288 milhões por danos ambientais causados pelo transbordamento de um dique da Mina Pau Branco, em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O caso ocorreu no sábado e causou a interrupção da rodovia BR 040, que ficou com um trecho completamente alagado. Ela liga Belo Horizonte ao Rio de Janeiro.

A empresa tem 20 dias para efetuar o pagamento da multa ou apresentar defesa aos órgãos ambientais do estado. Segundo autoridades, o valor da multa chegou a um patamar tão alto porque a Vallourec é reincidente: em 2020 a empresa foi multada por descumprir prazos de envio de documentos relativos a barragens de água.

A notificação de Minas Gerais determina ainda a suspensão imediata das atividades relacionadas a Pilha Cachoeirinha e ao Dique Lisa, até que sejam apresentados documentos que garantam a estabilidade das estruturas.

Antes disso, a Justiça mineira já havia obrigado a empresa a adotar medidas preventivas e reparadoras. Em caso de descumprimento, o grupo será obrigado a pagar multa diária de R$ 1 milhão.

Ainda em Minas, no município de Congonhas, a população segue aflita com a possibilidade de rompimento da barragem Casa de Pedra. O empreendimento pertence a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Uma fiscalização da equipe da divisão de segurança de barragens, da Agência Nacional de Mineração, esteve no local no domingo (9) e garantiu que não há risco de rompimento ou qualquer outro incidente de grande impacto. Porém, vídeos feitos por moradores da região mostram deslizamentos de terra próximo à estrutura.

A Casa da Pedra é a maior barragem de rejeitos de mineração em território urbano na América Latina. São 103 milhões de metros cúbicos de lama tóxica. Embaixo dela, cerca de 5 mil pessoas vivem na área de risco.

Desde segunda-feira (10), as atividades da CSN estão paralisadas por riscos de acidentes devido às fortes chuvas.

Causos do Bem Viver

O contador de causos oficial do Programa Bem Viver, o geógrafo e jornalista Mouzar Benedito, pergunta: por que quem conhece as principais atrações turísticas de uma cidade são os turistas e não os residentes?

Não é difícil encontrar alguém que more em uma cidade com atrativos turísticos, mas que nunca tenha ido aos locais mais clássicos. O Mouzar acabou descobrindo isso de um jeito um tanto desagradável, em uma das caronas de caminhão que ele pegou pelo Brasil. Confira!


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes