pandemia

"Vacina reduz gravidade, mas a máscara impede contágio", diz especialista ao Programa Bem Viver

Máscaras do modelo PFF2 são as mais seguras e econômicas para impedir contaminação pela covid-19

Ouça o áudio:

Uso correto de máscaras são forma mais eficiente de evitar contágio pelo coronavírus - Ricardo Wolffenbuttel/Governo de SC
A única coisa que impede o contágio sãos as medidas não farmacológicas

Em meio a escalada recorde de casos de Covid-19 no Brasil, as máscaras de proteção continuam sendo itens mais essenciais para impedir o contágio. Mas que modelo usar? A especialista em saúde coletiva Beatriz Climeck explica a diferença de segurança entre máscaras de pano, cirúrgicas e as modelo PFF2, na edição de hoje (19) do Programa Bem Viver.

De acordo com a especialista as máscaras mais adequadas são as de alta defesa, como as de modelo PFF2 ou N95. Isso porque elas vedam bem o rosto, têm trama mais fechada, possuem maior capacidade de filtragem e ainda contém uma camada eletrostática que atraí as partículas que passaram pela trama.

“A gente pode tomar vinte doses de vacina, elas não vão impedir que a gente se contamine, elas impedem os casos graves. A única coisa que impede o contágio sãos as medidas não farmacológicas, distanciamento, ventilação e a máscara”, reforça Beatriz, que administra o perfil @qualmáscara nas redes sociais, com o intuito de esclarecer dúvidas sobre os diversos modelos disponíveis.

Hanseníase

A 3a Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro proibiu a União e o presidente Jair Bolsonaro de utilizar publicamente o termo “lepra”. Em caso de descumprimento, a multa é de R$ 50 mil por dia. O termo, considerado de cunho pejorativo, se refere à doença de hanseníase.

A decisão da Justiça Federal partiu de uma ação movida pelo Movimento de Reintegração das Pessoas com Hanseníase. De acordo com o movimento, a palavra “lepra” tem teor discriminatório e estigmatiza os pacientes que, antigamente, eram submetidos a isolamento e internação compulsórios.

Por lei, o termo não pode ser utilizado na linguagem empregada em documentos oficiais. Porém, em dezembro de 2021, Bolsonaro afirmou em discurso a TV Brasil que quem já leu ou viu filmes da época de Jesus Cristo sabe que o grande mal era a “lepra” e que o “leproso” era mantido distante de todos. Ele ainda afirmou que hoje existe “lepra”, mas o mundo não acabou.

Música popular brasileira

19 de janeiro é uma data marcante para música brasileira. Neste dia nascia, em 1942, em Vitória, a cantora Nara Leão, uma das vozes mais marcantes da MPB e uma personalidade forte e intensa.

Nara Leão desde sempre esteve ao lado dos grandes. A estreia profissional dela foi com Vinícius de Moraes e Carlos Lira e seguiu durante toda carreira como a voz preferida de muitos compositores. Ao todo, lançou 28 discos e cantou diversos sucessos da música brasileira. Ela morreu em 1989, no Rio de Janeiro, após uma série de complicações de saúde.

E também em um 19 de janeiro o Brasil e o mundo perdiam a cantora Elis Regina. Ela nasceu em Porto Alegre em 1945 e aos 19 anos se mudou para o Rio de Janeiro.

Durante a ditadura militar, se manifestou algumas vezes contra o regime, ainda que muitos criticavam por não se assumir politicamente. As críticas foram a baixo quando ela gravou a canção “O bêbado e a equilibrista”, de composição de João Bosco e Aldir Blanc. A música é até hoje considerada um hino da anistia de perseguidos políticos. Mais tarde, na década de 1980, Elis Regina chegou a se filiar no PT.

Pouco depois, em 1982, ela foi encontrada morta em seu apartamento, em São Paulo, devido a uma parada cardíaca.


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes