meio ambiente

Programa Bem Viver debate efeitos do garimpo ilegal em Alter do Chão, o ‘Caribe da Amazônia’

Estudo da Rede MapBiomas aponta que água barretanta que atingiu rios do município tem como origem a mineração

Ouça o áudio:

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA) - Élder Stéfano/Poraquê Turismo
Amazônia vive epidemia do garimpo, que se estende há anos

A água barrenta que nas últimas semanas tomou conta de rios da região de Alter do Chão (PA), e que chamou a atenção de especialistas, foi em decorrência do garimpo. A constatação foi feita em um estudo da rede MapBiomas, uma organização especializada no mapeamento do uso do solo, que analisou a situação do Rio Tapajós, no Pará, a partir de sobrevoos.

Alter do Chão, conhecido como Caribe Amazônico devido às águas cristalinas, está atualmente com um aspecto barrento em proporções inéditas e extremamente preocupantes, que ultrapassam os efeitos de acúmulo de sedimentos da cheia dos rios. A situação foi agravada pela prática de garimpo na região.

Para entender melhor o quadro e o que esperar dele, a edição de hoje (27) do Programa Bem Viver conversou com um dos responsáveis pelo estudo, o pesquisador Cesar Diniz, coordenador técnico do mapeamento da mineração e da zona costeira do MapBiomas.

O especialista ressaltou que a Amazônia vive uma epidemia do garimpo, que já se estende há anos, em especial para retirada de ouro ilegalmente. Uma análise sobre a qualidade da água da região também está sendo preparada pela MapBiomas e será divulgada em breve.

Vetos de Bolsonaro

No mês que vem, o Congresso Nacional volta do recesso, iniciando o ano do legislativo com uma série de questões fundamentais para sociedade. Entre elas, analisar vetos de Jair Bolsonaro a propostas apresentadas por parlamentares e pela sociedade civil.

O presidente barrou uma série de medidas importantes nos últimos meses do ano passado, como o projeto de lei que prevê a distribuição de absorventes para meninas e mulheres em situação de vulnerabilidade, que havia sido aprovada aprovado pelo Congresso Nacional.

O Brasil de Fato selecionou outros vetos do presidente que serão revistos e que podem ser derrubados por parlamentares.

Solidariedade do MST

Nesta semana, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) foi reconhecido pelo trabalho de solidariedade que prestou aos atingidos nas enchentes do sul da Bahia, nas últimas semanas de 2021 e nas primeiras de 2022. O destaque veio do Prêmio Imprensa Brasil, de Itamarajú (BA).

A região foi assolada por fortes chuvas que causaram a morte de 26 pessoas e deixaram milhares desabrigados e desalojados.


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Sarah Fernandes