Ouça e assista

"Estamos cada vez mais distantes da agroecologia", diz Maria Emília Pacheco

Ex-presidenta do Consea diz que o governo tem priorizado políticas de exportação e esvaziado os direitos de agricultores

Ouça o áudio:

Acompanhe o Central do Brasil, sempre de segunda a sexta, às 19h45 - Sebastião Araújo/Embrapa
O governo cresce o cerco para a agricultura familiar e as comunidades tradicionais. Isso é grave

De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab),a área plantada de feijão, arroz e mandioca no Brasil em 2022 é menor dos últimos 45 anos. Enquanto o governo brasileiro favorece a produção de commodities, como milho, soja e carne, que muitas vezes estão ligadas à exploração e especulação da terra, os principais alimentos que fazem parte das refeições dos brasileiros têm perdido espaço para o agronegócio.

Maria Emília Pacheco, ex-presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) e membro do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN), participa do Entrevista Central, quadro do programa Central do Brasil, e avalia como este cenário de diminuição da produção destes alimentos associados à alimentação brasileira influencia no aumento da inflação sobre estes produtos.

"Precisamos de limites no Brasil. Não podemos continuar nessa expansão desenfreada dos monocultivos que se destinam à exportação em grande parte para ração de animais. Enquanto isso, vemos uma redução do apoio à agricultura familiar. Estamos vivendo um tempo de devastação ambiental, violações de direitos e interrompemos um caminho virtuoso de política de segurança nacional alimentar, agroecologia", avalia.

A especialista também aponta que esse cenário se dá pela ausência de políticas voltadas a esse tipo de plantio e os constantes ataques aos agricultores.

"Estamos cada vez mais distantes da produção sustentável, da agroecologia e da soberania alimentar. O orçamento de 2022 agrava ainda mais este cenário. Precisamos de uma política nacional de abastecimento alimentar que priorize a diversidade e é urgente lutar por justiça social para quem produz alimento de verdade e conserva a biodiversidade, porque a produção agroecológica favorece a saúde, a preservação ambiental e combate a fome".

E tem mais!

O quadro Nacional analisa o que são as federações partidárias e como elas mexem com a decisão dos eleitores. O médico sanitarista e membro do Consórcio Nordeste, Marcos Pacheco, participa do Embarque Imediato e fala sobre a recomendação do comitê que orienta a  proibição de festas privadas e o cancelamento do carnaval, para evitar uma nova explosão de casos da Covid-19. A Parada Cultural  traz o lançamento de três canções autorais inéditas do músico e compositor amazonense, Petrus Cuesta.


Sintonize

Para acompanhar o Central do Brasil, basta sintonizar a TVT em uma antena digital, interna ou externa. Na grande São Paulo, o canal é o 44.1 (sinal digital HD aberto); na NET o canal é o 512 (NET HD-ABC); no UHF, a sintonia é 46; 13 na NET-Mogi; e Canal 12 na Vivo São Caetano do Sul.

A sintonia da Rádio Brasil Atual é 98,9 FM na Grande São Paulo. Também é possível acompanhar a programação radiofônica pelo site do Brasil de Fato.

Quem está fora de São Paulo, pode sintonizar a TVT com a parabólica, via satélite. É necessário direcionar a antena para StarOne C3 Freq: 3973 Mhz Pol: Vertical, DVB-s2; SR: 5000 FEC ¾. Confira mais informações neste link.

Dados da menor estação receptora

Antena: Embrasat modelo RTM 2200Std
Focal-Point
Diâmetro 2,2m
Ganho de recepção no centro do Feixe (Dbi) 37,5
G/T da estação (dB/K) 18,4

 

 

Edição: Afonso Bezerra