Ouça e assista

Relatório aponta ameaças de mineradoras ao território indígena no Brasil

Levantamento da APIB e Amazon Wacth aponta que Bradesco, Santander, BB e Caixa estão entre os financiadores da atividade

Ouça o áudio:

Acompanhe o programa de segunda a sexta-feira às 19h45 por TVs e rádios comunitárias e educativas de todo o país - ISA/HAY
A mineração é uma das atividades que mais matam defensores ambientais no mundo

Dezenas de instituições financeiras nacionais e internacionais são as principais responsáveis por financiar a expansão da fronteira mineral sobre áreas indígenas e de florestas até então preservadas. É  o que aponta a quarta edição do relatório "Cumplicidade na Destruição", divulgado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e pela ONG Amazon Watch, na última terça-feira(22)

O mapeamento aponta que 9 mineradoras receberam US$ 54 bilhões de 2016 a 2021,  e empresas como Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal estão entre os principais financiadores nacionais da mineração industrial no país. Já na área internacional, o financiamento é liderado por instituições norte-americanas, mas também conta com credores da França, Alemanha e Japão.

Rosana Miranda, da organização Amazon Watch, participa da Entrevista Central, do programa Central do Brasil, e revela como esses interesses econômicos destroem o meio ambiente.

"São empresas que assumem publicamente o compromisso socioambiental e dos interesses dos povos indígenas, mas na prática estão avançando e explorando essas áreas ambientais", explicou.

O relatório também mostra que, em novembro de 2021, cerca de 2500 pedidos de 570 empresas para atuar em território indígena estavam ativos na Agência Nacional de Mineração. Rosana Miranda citou também, durante a entrevista, como a agenda do governo Bolsonaro influencia na expansão da atividade mineradora.

"O apoio e o incentivo à mineração e ao garimpo são prioridades para o governo de Bolsonaro. Ele sempre assumiu uma postura anti-indígena e entrega nossa biodiversidade para os interesses dessas empresas", expõe.

Miranda também afirma que é importante e urgente que toda a população participe deste debate e amplie o diálogo sobre as consequências desta atividade em reservas indígenas.

"Os impactos da mineração duram décadas. É preciso que toda a sociedade brasileira participe desta discussão. 'Vale a pena retirar todo esse minério? Para onde ele está indo?'. Os impactos dessa atividade exploratória são enormes e precisamos ampliar esse debate".

E tem mais!

O quadro Nacional traz a exposição no Rio de Janeiro que homenageia os 60 anos do bloco carnavalesco Cacique de Ramos. No Embarque Imediato, a moradora de Petrópolis, Regina do Valle, relata o cenário que viu e tem vivido após as fortes chuvas e deslizamentos na região. A Parada Cultural indica a abertura do novo espaço da casa de shows "Autêntica", em Belo Horizonte.

Sintonize

Para acompanhar o Central do Brasil, basta sintonizar a TVT em uma antena digital, interna ou externa. Na grande São Paulo, o canal é o 44.1 (sinal digital HD aberto); na NET o canal é o 512 (NET HD-ABC); no UHF, a sintonia é 46; 13 na NET-Mogi; e Canal 12 na Vivo São Caetano do Sul.

A sintonia da Rádio Brasil Atual é 98,9 FM na Grande São Paulo. Também é possível acompanhar a programação radiofônica pelo site do Brasil de Fato.

Quem está fora de São Paulo, pode sintonizar a TVT com a parabólica, via satélite. É necessário direcionar a antena para StarOne C3 Freq: 3973 Mhz Pol: Vertical, DVB-s2; SR: 5000 FEC ¾. Confira mais informações neste link.

Dados da menor estação receptora

Antena: Embrasat modelo RTM 2200Std
Focal-Point
Diâmetro 2,2m
Ganho de recepção no centro do Feixe (Dbi) 37,5
G/T da estação (dB/K) 18,4

Edição: Afonso Bezerra