Paralisação

Motoristas do BRT do Rio entram em greve; Paes diz que movimento tem apoio de empresários

Paralisação somou todos os cerca de 200 veículos que operam nos corredores Transolímpico, Transoeste e Transcarioca

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
BRT Transoeste
Ao todo, 480 motoristas trabalham no BRT, segundo informações do Sindicato dos Rodoviários - Reprodução

Na madrugada desta sexta-feira (25), os motoristas do BRT do Rio de Janeiro entraram em greve. Eles reivindicam melhores condições de trabalho, segurança e reajuste salarial. A paralisação somou todos os cerca de 200 veículos articulados que operam nos corredores Transolímpico, Transoeste e Transcarioca. 

Continua após publicidade

A greve se iniciou cerca de uma semana depois de a prefeitura decretar a caducidade parcial dos contratos de concessão, assumindo em definitivo a operação do BRT pela estatal Mobi-Rio até a realização de uma nova licitação para operar o sistema.

Continua após publicidade

Leia também: Maricá (RJ) será a primeira cidade do país a fabricar os próprios ônibus híbridos

Continua após publicidade

Ao todo, 480 motoristas trabalham no BRT, segundo informações do Sindicato dos Rodoviários divulgadas em nota na manhã desta sexta-feira.

Continua após publicidade

''Eles reivindicam que seja realizado um novo contrato que garanta todos os direitos dos funcionários, incluindo férias, 40% do FGTS em caso de demissão, auxílio-desemprego, reajuste salarial, ticket-alimentação, plano de saúde, pagamento de horas extras, além da contratação de funcionários que foram afastados pelo INSS porque estão com problemas de saúde'', diz o texto do sindicato.

No Twitter, o prefeito Eduardo Paes afirmou que o movimento teria o apoio dos empresários de ônibus, que estariam descontentes com a perda da operação do sistema.

“Tem empresário de ônibus insatisfeito com a encampação e usando trabalhadores do BRT para reconquistar a concessão. Lamento informar que eles não serão bem sucedidos. Estamos trabalhando para restabelecer o sistema”, disse Paes.

 

Leia também: BRT de Salvador é tragédia anunciada, mas obras são retomadas em meio ao caos

Em resposta, o Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio de Janeiro (Rio Ônibus) rebateu as críticas por meio de nota.

"O Rio Ônibus repudia o posicionamento do prefeito Eduardo Paes e ressalta que a paralisação é uma das consequências do que a inércia e a falta de governança do poder público são capazes de fazer, deixando milhares de passageiros sem ônibus”, diz trecho do comunicado.

Também em nota enviada à imprensa, a prefeitura disse que não recebeu comunicado prévio sobre a paralisação ou pauta de reivindicações.

“Trata-se de uma greve ilegal. Sem qualquer tipo de aviso prévio, os motoristas do sistema BRT entraram em greve. A Prefeitura do Rio, por meio da empresa MOBI-Rio, orienta à população que procure outra alternativa de transporte público para se locomover”.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse