PAPO NA LAJE

No Rio, mulheres organizam e são protagonistas de bailes "funk da antigas"

Grupo da favela de Antares mantém tradição da cultura carioca de mãe para filha: "Baile é pra todas as idades"

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Ebilene e Juliana contam sobre a agitação cultural em torno do funk na favela de Antares, Zona Oeste do Rio - Stefano Figalo/Papo na Laje

O programa Papo na Laje desta quinta-feira (17) mostra que a tradição das batalhas e do passinho nos bailes funk atravessa gerações na zona oeste do Rio de Janeiro. E são as mulheres que protagonizam esse movimento cultural nas comunidades e favelas cariocas. É o caso do bonde feminino "Borró e as Poderosas" da favela de Antares, em Santa Cruz.

Continua após publicidade

Ebilene Elias, conhecida como Bibi, conta que o grupo consegue convocar mais de 90 mulheres de todas as idades para curtir o "funk da antiga" e participar de competições. Nos bailes, além dos passos de dança, ganha pontos o bonde que levar mais pessoas representando a comunidade e, claro, a animação com gritos de guerra. Para ela, o "baile funk da antiga é para todas as idades"

Assista:

"Venho da época dos anos 1990, do funk da antiga, curti muito com as minhas amigas. Era um grupo de mulheres que sempre trabalhou e todo final de semana saía pra curtir o baile. O grupo surgiu porque a gente usava roupa igual. O bonde do 'Borró' são as mães e as poderosas as filhas e netas, ou meninas novas que gostaram e entraram para o nosso grupo. O maior bonde feminino da Zona Oeste é a nossa galera", explicou Bibi ao Papo na Laje.

Com vestidos personalizados para cada evento que o grupo participa, a filha Juliana Ferreira, de 18 anos, representa a juventude cada vez mais conectada nas redes sociais e no estilo de roupa e maquiagem para os bailes.

Leia mais: Influenciadores negros de favelas do Rio destacam desigualdade nas redes: "Algoritmo é branco"

"Minha mãe falava sempre chamava pra curtir o baile e eu falava 'ai mãe que chato, negócio de velho'. Quando eu fui fiquei reparando elas só no passinho e depois nunca mais parei. Minha mãe é assim, onde chega puxa todo mundo", disse Juliana.

"O funk traz alegria e trabalho. Se você vende uma bala, um cachorro quente, já promove um tipo de renda que você precisa também. Quando começa o funk você vai esquecer todos os problemas, porque o baile até isso consegue. Às vezes é isso que levanta meu astral", complementa Ebilene.

WikiFavelas

Papo na Laje é um programa sobre experiências de protagonismo da juventude das favelas e periferias do Rio de Janeiro. A partir desta semana, o projeto televisivo está incluído na lista de verbetes do WikiFavelas, dicionário de Favelas Marielle Franco, plataforma online de preservação da memória e da cultura favelada.

Rodrigo Marcelino, coordenador político do Brasil de Fato RJ, afirmou que o programa é uma ferramenta de organização popular da juventude em seus territórios. 

“O projeto se junta aos saltos que o Brasil de Fato vem dando, no sentido de pensar um programa de TV, que seja arte, cultura e entretenimento, mas que também seja uma ferramenta de abertura de um trabalho de base. Isso tudo estava na origem das primeiras conversas com Dieymes Pechincha [diretor e roteirista do programa] e são essas diretrizes que orientam as temáticas de episódios como ‘Ser jovem hoje’; ‘Escolas de samba e religião’; ‘Capoeira’; ‘Tranças e identidade’; ‘Direito à moradia’; etc", disse.

Episódios inéditos do Papo na Laje vão ao ar toda quinta-feira, às 18h, no YouTube e na TV Comunitária do Rio de Janeiro, com transmissão no canal 6 da NET.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse