Ouça e assista

"Nós vamos brecar tudo", diz entregador sobre apagão dos apps, nesta sexta-feira, 1º de Abril

"O dia da mentira" foi escolhido para denunciar que empresas não têm cumprido acordos firmados com a categoria

Ouça o áudio:

Acompanhe o programa de segunda a sexta-feira, às 19h45, por TVs e rádios comunitárias e educativas de todo o país - Rovena Rosa/ Agência Brasil
A nossa situação é análoga à escravidão. Nós não temos amparo nenhum.

Entregadoras e entregadores de aplicativo de todo o Brasil se organizam para uma nova paralisação nacional por direitos, dignidade e melhores condições de trabalho. Desta vez, o breque, que já começou em algumas capitais na terça-feira(29), tem o seu ápice nesta sexta-feira, dia 1º de abril, conhecido como o "Dia da Mentira", no ato que eles estão chamando de "Apagão dos Apps".

A escolha da data foi para denunciar que as empresas não têm cumprido os acordos com a categoria. O alvo das mobilizações é a maior empresa de entrega de comida pela internet, o Ifood, mas a greve também visa questionar outras companhias de delivery por aplicativos.

Desde julho de 2020, quando aconteceu a primeira greve histórica da categoria, milhares de trabalhadores do ramo têm se mobilizado para denunciar as condições de trabalho e o descumprimento de acordos das empresas de aplicativo.
 

Abel Santos, vice-presidente da Associação dos Motofretistas Autônomos e Entregadores de Aplicativo do Distrito Federal e Entorno (AMAEDF) é o convidado do quadro Entrevista Central, do programa Central do Brasil desta quarta-feira (29). O entregador expõe como está a organização da greve e as expectativas dos entregadores.

"Queremos causar um impacto nas plataformas de entregas para que elas vejam que dependem dos trabalhadores para funcionarem. Precisa ser uma parceria de mão dupla e não da forma que funciona hoje, de maneira unilateral. A nossa expectativa com essa paralisação é que as empresas entendam que somos seres humanos, parceiros e pedimos o mínimo de condição para viabilizar a prestação de serviços. Sem nós, não faz sentido existir a plataforma de delivery e os restaurantes não conseguirão entregar as refeições, porque nós somos a linha de frente.", explica.

O entregador também pede o apoio de toda a população com as pautas da categoria.

"Pedimos que a sociedade colabore com a nossa luta e não faça pedidos pelas plataformas de delivery nestes três dias de paralisação nacional. Além disso, uma arma poderosa que temos hoje é a nossa comunicação via rede social, então pedimos que vocês compartilhem as informações da greve por estes meios. Nós vamos brecar tudo", afirmou.

Abel também cita as dificuldades enfrentadas pela categoria. "Estamos pedindo o básico para permanecer na rua que é o banheiro, água potável, local para carregar celular, um ambiente para descansar. Muitos trabalhadores moram longe dos centros das cidades", contou. 

Em resposta ao Brasil de Fato, a 99 afirmou que, desde a última quarta-feira (23), os motoristas recebem “um auxílio em seus ganhos com base na variação dos custos da gasolina em diferentes regiões do país”. Segundo a 99, serão pagos R$0,10 a mais por quilômetro rodado para cada R$1 de aumento do combustível. 

Já o iFood anunciou, no último dia 17, que deve reajustar a taxa mínima paga ao entregador a cada corrida. De R$5,31, ela deve passar para R$6. Já o valor pago por quilômetro rodado deve passar de R$1 para R$1,50. 

O Brasil de Fato tentou contato com a Uber, mas não obteve retorno.

E tem mais! 

O quadro Nacional traz uma retrospectiva dos vários ataques proferidos pelo governo Bolsonaro contra a liberdade e democracia no Brasil, além do saudosismo da tortura e repressões durante a ditadura militar no Brasi.presentes no discurso do presidente. O Golpe MIlitar de 1964 completa. nesta sexta-feira, dia 01º de Abril, 58 anos. 

Nesta quarta-feira (30), enquanto vários manifestantes realizavam atos em todo o Brasil contra os despejos durante a pandemia, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu estender o veto a despejos e desocupações até o final de junho de 2022. Benedito Barbosa, da Campanha Despejo Zero, participa do Embarque Imediato e comenta essa vitória temporária para os movimentos populares e a sociedade brasileira.


Na Parada Cultural, a dica é a mini turnê pelo nordeste da cantora e percussionista pernambucana Alessandra Leão. O lançamento é seu novo show “Acesa”, fruto de disco homônimo lançado no final de 2021.

 

Sintonize

Para acompanhar o Central do Brasil, basta sintonizar a TVT em uma antena digital, interna ou externa. Na grande São Paulo, o canal é o 44.1 (sinal digital HD aberto); na NET o canal é o 512 (NET HD-ABC); no UHF, a sintonia é 46; 13 na NET-Mogi; e Canal 12 na Vivo São Caetano do Sul.

A sintonia da Rádio Brasil Atual é 98,9 FM na Grande São Paulo. Também é possível acompanhar a programação radiofônica pelo site do Brasil de Fato.

Quem está fora de São Paulo, pode sintonizar a TVT com a parabólica, via satélite. É necessário direcionar a antena para StarOne C3 Freq: 3973 Mhz Pol: Vertical, DVB-s2; SR: 5000 FEC ¾. Confira mais informações neste link.

Dados da menor estação receptora

Antena: Embrasat modelo RTM 2200Std
Focal-Point
Diâmetro 2,2m
Ganho de recepção no centro do Feixe (Dbi) 37,5
G/T da estação (dB/K) 18,4

Edição: Afonso Bezerra