ASSISTA

Há chance para a esquerda na França? Eleições presidenciais acontecem no próximo domingo (10)

O Caminhos para o Mundo desta terça (5) entrevista Florence Poznanski, militante do partido de Jean-Luc Mélenchon

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Florence Poznanski é dirigente nacional do Partido de Esquerda e líder no movimento França Insubmissa - Isis Medeiros

Assim como o Brasil, a França também será marcada por eleições presidenciais em 2022: o primeiro turno está previsto para o próximo domingo, dia 10 de abril. Se nenhum candidato conseguir mais de 50% dos votos, haverá segundo turno no dia 24. 

Continua após publicidade

Pesquisas de opinião indicam que o atual presidente Emmanuel Macron tem grandes chances de reeleição. Porém, a insatisfação contra o governo em relação ao desemprego, inflação, alto custo de vida, entre outros problemas que os franceses vivem, trouxeram à cena eleitoral alguns nomes conhecidos de extrema direita como Marine Le Pen, e o candidato independente Éric Zemmour, que além do discurso xenofóbico tem a proposta de retirar a França da União Europeia. (Continua após o vídeo.)

Assista: 

Já para a esquerda francesa, a principal aposta é o antigo ministro socialista e fundador do partido La France Insoumise (A França Insubmissa), Jean-Luc Mélenchon. Nas últimas pesquisas, o candidato aparece como terceiro colocado no primeiro turno da disputa presidencial. 

Para falar sobre essa conjuntura e a disputa de forças que concorrem ao governo francês, o Caminhos para o Mundo da última terça (5) convidou Florence Poznanski, dirigente nacional do Partido de Esquerda, e principal líder do movimento França Insubmissa. 

:: Pesquisas indicam provável 2º turno entre Macron e Le Pen na disputa pela presidência da França ::

Poznanski morou no Brasil por quase dez anos, período em que representou seu partido e militou por processos de participação popular nos meios de comunicação. Durante a entrevista, ela analisa alguns dos motivos pelos quais Macron aparece como favorito para vencer as eleições: 

“O eleitorado da direita costuma votar com mais frequência, até por terem mais poder aquisitivo, por estarem mais introduzidos dentro das redes institucionais, e é uma grande parte do eleitorado do Macron. Por outro lado, apesar de ele ter um balanço político péssimo no que tange à incapacidade de conter o aumento das desigualdades sociais, ele conseguiu alguma vantagem na maneira com a qual liderou a pandemia, porque ele acabou desdobrando muitos recursos para assuntos emergenciais. Isso deu a sensação de um presidente ativo, que respondia a algumas perguntas imediatas do povo, e ele soube também manusear isso razoavelmente bem no período do fim desse mandato”. 

:: Mélenchon sobe 5 pontos em 3 meses e vira aposta presidencial da esquerda francesa ::

Esquerda dividida 

Até dezembro do ano passado, a esquerda francesa contava com oito candidatos na disputa presidencial. Ainda segundo Florence Poznanski, o “cenário dramático” reflete uma incompatibilidade das propostas com o “ser de esquerda”: 

“O Partido Socialista, durante o governo de Hollande (2012 - 2017), implementou um programa totalmente liberal que ajudou inclusive a legitimar o programa de Macron. E o próprio Partido Verde atual, que é mais ou menos o outro que tem intenção de votos razoáveis, diz abertamente que um programa ecológico está compatível com o capitalismo, ou seja, o tal do capitalismo verde que para nós no Partido de Esquerda, que defendemos uma visão ecossocialista do mundo, é um absurdo. Sabemos que uma transformação ecológica profunda passa pelo que chamamos de uma bifurcação ecológica, e não só uma transição moderada ecológica”.

:: Entenda por que Macron despreza Bolsonaro, mas recebeu Lula como chefe de Estado ::

*A entrevista foi gravada antes da Guerra na Ucrânia, por isso, esse contexto não foi considerado nas análises do cenário eleitoral francês.  

Onde assistir ao programa

O Caminhos para o Mundo tem duração de 30 minutos e vai ao ar quinzenalmente, às terças-feiras, sempre às 20h, nos canais do Brasil de Fato e da TVT no YouTube.

Na TV aberta, o programa é exibido na TVT, canal 44.1 - sinal digital HD aberto na Grande São Paulo e canal 512 NET HD-ABC. 

Edição: Vivian Virissimo