Ouça e assista

No Central do Brasil, a jornada nacional de lutas em defesa da reforma agrária

Abril é o mês escolhido para homenagear os assassinados no Massacre de Eldorado dos Carajás, em 1996

Ouça o áudio:

Acompanhe o programa de segunda a sexta-feira, às 19h45, por TVs e rádios comunitárias e educativas de todo o país
Acompanhe o programa de segunda a sexta-feira, às 19h45, por TVs e rádios comunitárias e educativas de todo o país - Foto: Comunicação MST
O Abril é para relembrar a resistência e a luta dos trabalhadores agricultores

Todo mês de Abril, desde 1997, é marcado por manifestações e atos para repudiar o Massacre de Eldorado dos Carajás, episódio em que 21 trabalhadores Sem Terra foram assassinados em 17 de abril de 1996, no sul do Pará. No caso, 155 policiais militares estiveram envolvidos na operação.

Durante os 26 anos que sucederam o crime, camponeses e lutadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), realizam anualmente a Jornada Nacional  de Lutas em Defesa da Reforma Agrária que marca abril como um mês de luto e luta pela terra, além de denunciar a impunidade do massacre.

Continua após publicidade

Neste ano, o tema da jornada é "por terra, teto e trabalho" e conta com uma programação nacional de atos, marchas, vigílias, debates e ações solidárias.

O Entrevista Central, do programa Central do Brasil desta quarta-feira(13), recebe o dirigente estadual do MST no Paraná, José Damasceno, para falar sobre essa agenda de lutas.

"Precisamos colocar a responsabilidade no governo federal e estadual, porque o conflito agrário se resolve com mediação e negociação. As nossas ações de solidariedade abrem um debate sobre o tipo de projeto que nós queremos para a agricultura brasileira através do alimento"

 

E tem mais!


Na manhã desta terça-feira (12), militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), vindos de assentamentos de diversas regiões do Rio de Janeiro, realizaram uma manifestação em frente à sede estadual do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra). No quadro Trilhos do Brasil, você acompanha as principais reivindicações dos trabalhadores e os desdobramentos desta ação.

Na Parada Cultural, a dica é o EP “Zé”, do cantor e compositor Zé Guilherme. A obra é formada por seis composições autorais de estilos variados, do pop ao maracatu, passando pelo samba e pelo xote, o que bem representa a trajetória do artista.


O Central do Brasil é exibido de segunda a sexta-feira, às 19h45, pela TVT-SP, emissoras públicas e comunitárias de todo país e pelo Brasil de Fato nas redes sociais

Sintonize

Para acompanhar o Central do Brasil, basta sintonizar a TVT em uma antena digital, interna ou externa. Na grande São Paulo, o canal é o 44.1 (sinal digital HD aberto); na NET o canal é o 512 (NET HD-ABC); no UHF, a sintonia é 46; 13 na NET-Mogi; e Canal 12 na Vivo São Caetano do Sul.

A sintonia da Rádio Brasil Atual é 98,9 FM na Grande São Paulo. Também é possível acompanhar a programação radiofônica pelo site do Brasil de Fato.

Quem está fora de São Paulo, pode sintonizar a TVT com a parabólica, via satélite. É necessário direcionar a antena para StarOne C3 Freq: 3973 Mhz Pol: Vertical, DVB-s2; SR: 5000 FEC ¾. Confira mais informações neste link.

Dados da menor estação receptora

Antena: Embrasat modelo RTM 2200Std
Focal-Point
Diâmetro 2,2m
Ganho de recepção no centro do Feixe (Dbi) 37,5
G/T da estação (dB/K) 18,4

Edição: Matheus Alves de Almeida