MAIS ARMAS

Governo do Rio de Janeiro vai distribuir 10 mil pistolas a policiais militares da reserva

Porta-voz da PM admitiu que agentes poderão utilizar as armas de fogo para fazer "bicos" fora da corporação

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Cada policial poderá requisitar ao batalhão mais próximo até três carregadores e, no mínimo, 50 munições - Raphael Alves/ Tribunal de Justiça do Amazonas

Uma resolução publicada no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro nesta semana permite que policiais militares da reserva remunerada recebam uma arma de fogo do Estado. A coorporação fluminense conta com cerca de 10 mil servidores nesta situação. Cada um poderá requisitar ao batalhão mais próximo até três carregadores e, no mínimo, 50 munições.

Continua após publicidade

Leia mais: No RJ, menina de 4 anos baleada quando comprava pipoca após a escola segue em estado grave

De acordo com a resolução, o policial que requisitar o armamento não pode apresentar problemas psiquiátricos, pendências judiciais, submetidos a Processo Administrativo Disciplinar (PAD) ou criminal doloso. Também é necessário que o policial tenha residência no Rio de Janeiro. 

No total serão distribuídos em torno de 10 mil pistolas, 30 mil carregadores e 50 mil balas aos agentes. O processo administrativo da corporação que trata da distribuição das armas está sob sigilo. O coronel Ivan Blaz, porta-voz da PM, admitiu que agentes da reserva poderão utilizar as armas para fazer "bicos" fora da corporação. 

"Essa é uma possibilidade, porém os policiais da reserva já desempenham inúmeras funções na área de segurança pública, sejam em prefeituras, seja em empresas conveniadas através do projeto tempo certo, então essas atividades extra polícia já acabam acontecendo de forma legal e formalizadas ", disse em entrevista ao programa RJ TV, da Rede Globo.

Por fim, a medida prevê um acompanhamento a cada quatro anos dos policiais beneficiados no qual serão convocados para instruções de tiro e inspeções de saúde pela Diretoria de Veteranos e Pensionistas (DVP).

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Clívia Mesquita