luta

“Juventude não vai aceitar genocídio que tem acontecido no RJ”, diz militante do Levante

Ato pediu Memória, Verdade e Justiça por vítimas de chacinas

Rio de Janeiro, RJ |
Ato no RJ lembrou de parlamentares negras que vêm sofrendo ameaças em todo o Brasil - Guilherme Gandolfi / Levante Popular da Juventude

Na tarde deste sábado (18), o Levante Popular da Juventude fez ato no Rio de Janeiro contra o genocídio de jovens negros. “A juventude camponesa, a juventude de favela e de periferia, a juventude organizada onde quer que esteja está aqui para reivindicar as nossas vidas, nosso futuro”, afirmou Ellen Neves, do Levante Rio, Célula territorial de Manguinhos.

Continua após publicidade

“O estado e a cidade do Rio de Janeiro são marcados pela violência. Tanto que é o estado onde se consolida a figura de Bolsonaro", disse Daiane Araújo, da Coordenação Nacional.

"A gente vem tratar do extermínio da juventude negra, mas não só isso. Dentro do bojo do nosso encontro a gente se desafia a elaborar nosso programa popular para a juventude, para reivindicar um projeto de vida digna no contexto de redemocratização do país e de reconstrução dos nossos direitos”, completou.

O ato simbólico acontece em um momento de extrema violência contra a população pobre e preta no Rio de Janeiro. Foram 39 chacinas com 178 mortes promovidas pelas polícias em apenas um ano de gestão do governador Cláudio Castro (PL), segundo levantamento do Instituto Fogo Cruzado com o Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense (Geni-UFF).

:: Pesquisadoras explicam por que chacinas como a da Penha não são efetivas para combater o crime ::

Na abertura do ato, nos Arcos da Lapa, na capital fluminense, Jessy Dayane, da Coordenação Nacional do Levante, também lembrou das ameaças contra parlamentares negros. "Deputados e vereadores negros têm que passar o tempo inteiro defendendo suas vidas, pensando na sua segurança, e não conseguem se concentrar nas propostas políticas para mudar a vida do povo. É isso que eles querem: nos tirar a vida, nos tirar da política”, pontuou.  

Estiveram presentes no ato a deputada estadual Renata Souza (PSOL), ela mesma vítima de ameaças em rede social no fim de 2020, e a vereadora Thais Ferreira (PSOL). 

:: Codeputada do PSOL processa deputado bolsonarista por violência política de gênero em PE :: 


Ato nos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, faz parte do Encontro Nacional do Levante Popular da Juventude / Jennifer Marques

Encontro Nacional

O protesto faz parte do Encontro Nacional do Levante Popular da Juventude, que acontece até o dia 19 de junho, na Universidade Federal Fluminense (UFF) e conta com a participação de 1.200 jovens militantes da organização de diversos estados do país. Este é o primeiro encontro nacional desde o início da pandemia e celebra os 10 anos da organização. 

Na última sexta-feira (17), a ex-presidenta Dilma Rousseff participou de ato político organizado pelo Levante durante o encontro. 

Edição: Geisa Marques