Cenário de guerra

Operação policial no Complexo do Alemão deixa ao menos quatro mortos

Moradores foram acordados de madrugada com tiros e barulho de helicópteros em vários pontos da comunidade

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |

Ouça o áudio:

A PM afirmou que foram enviados 400 policiais para a ação, quatro aeronaves e 10 blindados - Reprodução

Na madrugada desta quinta-feira (21), moradores do Complexo do Alemão foram acordados com tiros e barulho de helicópteros em vários pontos da comunidade. Horas mais tarde, foram confirmadas quatro mortes que, segundo a Polícia Militar, são uma moradora, um agente policial e dois homens que a PM classificou como "suspeitos", sem identificar de qual crime.

Continua após publicidade

O cenário de guerra faz parte de uma operação conjunta das polícias Militar e Civil para combater o roubo de veículos, de carga e a bancos. Em nota, a corporação afirmou que foram enviados 400 policiais para a ação, quatro aeronaves e 10 blindados.

Continua após publicidade

:: Assassinato do pedreiro Amarildo por PMs completa 9 anos sem indenização a familiares ::

Continua após publicidade

Após cerca de cinco horas de duração da operação, mototaxistas fizeram um protesto uma das entradas da comunidade, conforme vídeo divulgado pelo jornal A Voz das Comunidades.

Continua após publicidade

 

 

Uma das vítimas, identificada como Letícia Marinho, de 50 anos, foi baleada dentro do carro por policiais e chegou morta à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Alemão, segundo familiares. Ela era moradora do Recreio dos Bandeirantes, na zona Oeste da cidade, e estava saindo da casa do namorado quando foi baleada em um sinal de trânsito. Ela deixa três filhos e um neto.

Leia também: RJ: Defensoria Pública propõe medidas para reduzir a letalidade policial em 70%

Ainda de acordo com Voz das Comunidades, um morador filmou três caveirões subindo em um dos acessos da localidade, no fim da madrugada. Em outro vídeo, uma moradora se desespera, ficando em um beco sem saída com seu irmão e seu filho. Nas imagens, ela relata que "os PMs passaram atirando". Os vídeos não serão divulgados para manter o sigilo dos moradores.

Há outra denúncia também de que policiais invadiram casas, sem autorização judicial.

Ao portal G1, o tenente-coronel Ivan Blaz, porta-voz da PM, justificou a ação. "É uma operação que se fazia necessária por conta das ações criminosas que os marginais dessa comunidade vêm desempenhando em diferentes pontos do Estado do Rio de Janeiro", disse Blaz.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse