COMBATE À FOME

O que é a Frente Nacional Contra a Fome e a Sede, proposta articulada por movimentos populares

Segundo dados da Rede Penssan, 117 milhões de pessoas não têm acesso pleno a comida no Brasil

Brasil de Fato | Recife (PE) |
Frente Nacional Contra a Fome e a Sede surgiu como um espaço de educação e organização popular que pretende combater a fome de forma estrutural e emergencial - Movimento Brasil Popular

A pandemia da covid-19 explicitou a fome que já assolava os povos do campo, da cidade, das florestas e das águas. São 117 milhões de brasileiros que não têm acesso pleno e permanente à comida, de acordo com Rede Penssan.

Continua após publicidade

Neste contexto de crise emergencial, movimentos populares e ONG's têm promovido o debate e a alimentação através de ações solidárias em todo o país.

Assista ao vídeo:

Leia: Movimento Brasil Popular: Força e disposição para reconstruir nosso país

Em abril deste ano, a Frente Nacional Contra a Fome e a Sede surgiu como espaço de educação e organização popular que pretende combater a fome de forma estrutural e emergencial, construindo permanente ações de elaboração, convergência, organização e incidência política.

Com a proposta de estabelecer um Projeto Popular para o Brasil, baseado em princípios como a democracia, sustentabilidade, desenvolvimento, soberania, solidariedade, feminismo e igualdade étnico-racial, a frente é uma resposta da sociedade civil, como explica Santiago Matos, do Movimento Brasil Popular, que também faz parte da frente.

“A Frente Nacional Contra a Fome e sede surge a partir das experiências dos movimentos e organizações sociais que há muito tempo desenvolvem ações concretas no enfrentamento e no combate à fome e nesse período da pandemia evidenciou uma lacuna muito acentuada do avanço da fome no Brasil e que as atividades de solidariedade surgiram como uma forma de ação dessas organizações e atendimento a esse público que estava nessa emergência, nessa crise acentuada nos territórios, nas comunidades, que é a falta de alimentação, a falta do acesso à alimentação”.

Leia: Em carta ao Papa Francisco, Lula cita ‘urgência’ no combate à fome

Junto com o apoio e articulação dos Comitês Populares Contra a Fome, das Cozinhas Solidárias e Comunitárias, articuladas pela sociedade civil em todo o Brasil, essencialmente nas periferias, a frente tem realizado doações em todo o país. No último dia 3 de setembro, ações da Frente Nacional Contra a Fome e a Sede aconteceram em todo o país.

No Nordeste, os estados de Pernambuco, Alagoas, Bahia e Maranhão foram sede da solidariedade e de discussões que debateram a pauta do direito à alimentação saudável.

Leia: Contra a fome: dirigente do MST cobra aliança entre luta popular e políticas públicas efetivas

De acordo com Santiago, “cada organização contribuiu de uma forma. Contribuímos pelo GT de Comunicação um material para fomentar os debates nas diversas formas. Os debates foram promovidos dentro de cada organização com o público atendido, dentro dos comitês populares de luta que se organizam agora para o período eleitoral, com a sociedade em geral fazendo panfletagem e as ações se deram com entregas de alimentos pelo serviço dos movimentos que já desenvolviam essas atividades e pelos comitês populares e movimentos sociais”.

Além das ações, a frente está realizando a campanha “Eu voto contra a fome e a sede” que pretende conscientizar a população sobre a eleição de parlamentares que tenham, na construção do seu mandato, uma relação com as políticas públicas e com o combate à fome.

Leia: Saúde mental no pós pandemia e combate à fome nas eleições: Assista ao Trilhas do Nordeste!

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Vanessa Gonzaga