ELEIÇÕES

Universidade suspende aulas em Recife temendo violência política em ato pró-Bolsonaro

Localizada no Recife, Unicap divulgou decisão após convocação de ato de bolsonaristas usando nome da instituição

Brasil de Fato | Recife (PE) |
Universidade emitiu nota pública suspendendo aulas em virtude do acirramento dos ânimos nesta reta final das eleições - Divulgação/UNICAP

Na noite desta quarta (26) a Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) divulgou nas redes sociais uma nota informando a comunidade acadêmica que as aulas seriam interrompidas a partir desta quinta (27) até sábado (29). O motivo da suspensão é a preocupação da instituição com “o acirramento dos ânimos que antecedem o 2º turno das eleições”. 

Continua após publicidade

Uma das principais vias de caminho até a universidade é a Rua do Lazer, bastante frequentada por estudantes e o restante da comunidade acadêmica e também onde acontecem diversas ações de campanha desde o 1º turno das eleições. 

Leia também: Casos de violência por motivação política ou ideologia preocupam na reta final das eleições

Desde o início da semana, circulava nas redes a convocação para um ato nesta quinta (27), convocado com o mote “Estudantes da UNICAP com Bolsonaro”. A UNICAP lançou uma nota pública na terça (25) em que afirmava que não foi autorizada a utilização do nome, imagem ou marca da universidade em nenhum material de campanha eleitoral. 

A universidade solicitou também a “imediata remoção de conteúdos e material de campanha eleitoral ou propaganda político-partidária com o seu nome, marca ou imagem, bem como que estes não voltem a ser produzidos”. 

A nota também pontua que “a UNICAP reafirma o seu compromisso com os valores constitucionais da democracia, justiça e paz social” e desejava “a todos que as manifestações convocadas transcorreram com respeito e que no próximo dia 30/10 os cidadãos brasileiros exerçam o seu direito ao voto de forma livre, consciente e responsável”. 

Violência política no Recife 

Durante o período eleitoral, a capital pernambucana tem presenciado casos constantes de violência política. No dia 21 de setembro, no bairro de Casa Amarela, um prédio com bandeira de Lula na varanda foi atingido por tiros na madrugada. 

No dia 24 de setembro, um jovem militante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) foi ameaçado por taxistas, que jogaram projéteis de munição aos pés do jovem. 

No dia 19 de outubro, o carro do vereador do Recife Joselito Ferreira (PSB) foi atacado com seis tiros, no bairro do Barro, segundo nota publicada nas redes do parlamentar. 

No dia 21 de outubro, dois idosos tiveram as janelas do carro, adesivado com material de campanha de Lula, e de casa, onde havia uma bandeira do MST atingidos por balas. Na mesma noite, uma professora que mora a cerca de 700 metros da casa e também teve o carro atingido por tiros. O veículo também tem uma bandeira do ex-presidente Lula. 

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Elen Carvalho