DISCURSO

"O Brasil está de volta": veja o que Lula disse na 1º manhã de agenda pública na COP27

Com falas de estadista, Lula antecipou qual deve ser o tom do seu primeiro discurso oficial na COP27, marcado para 12h15

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Lula com lideranças indígenas na COP27 - Ricardo Stuckert

No primeiro dia de agenda pública no Egito, que sedia a COP27, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu que a conferência do clima seja realizada na Amazônia. "Vamos falar com o secretário-geral da ONU e pedir que a COP de 2025 seja feita no Brasil", declarou, citando Amazonas e Pará como possíveis sedes. 

Continua após publicidade

Continua após publicidade

Com falas de estadista, Lula antecipou qual deve ser o tom do seu primeiro discurso oficial na COP27, marcado para 12h15 (horário de Brasília). "O Brasil está de volta. O Brasil está saindo daquele casulo ao qual foi submetido nos últimos quatro anos", afirmou. 

Continua após publicidade

Após uma terça-feira (15) marcada por encontros a portas fechadas, Lula recebeu na manhã de hoje (16) de governadores da Amazônia Legal uma carta com propostas de desenvolvimento sustentável.

Continua após publicidade

:: Sem ter o que mostrar na COP27, governo Bolsonaro destaca programa alimentar criado por Lula ::

O governador do Pará, Helder Barbalho, fez a leitura do documento. "Expressamos a disposição em construir uma relação profícua e eficaz com o governo federal, baseada no respeito democrático, na observância da Constituição e do diálogo com os poderes constituídos nas esferas estadual e federal", diz trecho do texto. 

Após a leitura, Lula endossou o conteúdo da carta. "É mais do que justo que nós recuperemos a aliança entre as unidades federativas para que o governo federal governe em comum acordo com os governadores, e mais ainda que o governo federal volte a governar em acordo com os prefeitos", afirmou.

Lula aproveitou o discurso para reforçar a proposta de criação do Ministério dos Povos Originários, como forma de fortalecer políticas públicas para os indígenas e assegurar a participação ativas dos povos no governo. 

"Nós vamos fazer uma luta muito forte contra o desmatamento ilegal. É importante as pessoas saberem que vamos cuidar muito forte dos povos indígenas. E vamos criar um Ministério dos Povos Originários para fazer com que eles não sejam tratados como bandidos", disse Lula. 

Edição: Thalita Pires