SÓ FALTA ASSINAR

Sônia Guajajara diz que governo Lula pode demarcar 14 áreas indígenas ainda este ano

Ministra dos Povos Indígenas diz que processos de demarcação de terras estão com portarias prontas para serem assinadas

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
Nascida na indígena de Araribóia, no Maranhão, Sônia é uma das maiores lideranças indígenas e ambientais do país - Fedrico Zuvire

A ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara, afirmou em entrevista a veículos da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) que 14 processos de demarcação de terras indígenas estão prontos para homologação pelo governo federal. São áreas localizadas em oito estados brasileiros.

Continua após publicidade

"Temos 14 processos identificados, que estão com os estudos prontos, concluídos, já têm a portaria declaratória. A gente espera que o presidente Lula possa assinar a homologação", disse.

Continua após publicidade

As terras indígenas prontas para o reconhecimento definitivo ficam no Ceará, Bahia, Paraíba, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Acre, Amazonas e Mato Grosso. O governo anterior, de Jair Bolsonaro, havia paralisado todos os processos de demarcação de terras indígenas. A retomada desses processos foi um compromisso de campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Continua após publicidade

:: PGR se manifesta contra a suspensão da posse de deputados ligados aos atos golpistas ::

Continua após publicidade

No fim ano passado, durante a transição de governo, o grupo de trabalho temático sobre questões indígenas já havia incluído, no seu relatório, uma lista das 13 áreas prontas para demarcação. Ao todo, elas somam cerca de 1,5 milhão de hectares. A ministra mencionou, especificamente, a situação dos indígenas Guarani Kaiowá, grupo que já esteve em evidência há alguns anos, mas que segue em grave situação de conflito. Eles vivem em área ainda não demarcada e que é disputada por fazendeiros, as chamadas de áreas de retomada, em que há conflito permanente.

"Temos recebido demanda do Guarani Kaiowá. Eles vivem em áreas de retomadas e isso dificulta a produção de alimentos. Tem a situação do povo Pataxó, também numa área de retomada. É uma terra indígena que aguarda portaria declaratória do governo federal. [Há também] os Awá Guarani, no Paraná, que têm procurado a gente para dar uma atenção especial", acrescentou.

:: Brasil retoma demarcações de terras indígenas após quatro anos de paralisação ::

Sônia Guajajara falou ainda obre a necessidade de ações permanentes nos territórios indígenas, para repelir ameaças e evitar novas situações de vulnerabilidade. "Essa ação é muito importante, é a retomada da presença do Estado no território. E é preciso que seja feito um trabalho articulado com vários ministérios. Para isso, instalou-se uma comissão de enfrentamento que vai começar na segunda-feira (30), e a ideia é que o Ministério da Defesa permaneça ali com essa presença de fiscalização, juntamente com Ministério da Justiça, [com] a Polícia Federal", finalizou a ministra.


Com informações da Agência Brasil.

Edição: Thalita Pires