Política pra criança

Crianças avaliam primeiro mês de governo Lula e levantam políticas para menores de 18 anos

Crianças avaliam primeiro mês de governo Lula e levantam políticas para menores de 18 anos

Ouça o áudio:

O nadador Francisco Silva, de 10 anos, representou as crianças brasileiras na posse de Lula - Reprodução/Instagram @Lulaoficial e @ricardostuckert
Eu gostaria de saber o que o senhor vai fazer para combater a violência contra as crianças?

Neste primeiro mês de novo governo, o que já foi feito pelas crianças? Quais devem as prioridades para meninos e meninas nesse começo de nova gestão federal? São essas as perguntas que a edição de hoje (8) do Radinho BdF fez para os ouvintes mirins, para acompanhar as ações da Presidência da República e cobrar nosso novo presidente, Luiz Inácio Lula da Silva.

Continua após publicidade

“Espero que ele trate toda a criança muito bem, independente de como ela é. E espero também que ele ajude as crianças de rua, para nenhuma ter que morar na rua e muito menos ficar na sem escola, sem uma boa casa e uma boa alimentação”, defende Bethania Lucena, que tem 8 anos, e mora em São Paulo.

Uma das principais ações foram os resgates de crianças Yanomami que estavam doentes e desnutridas em suas aldeias, em na Terra Indígena Yanomami, em Roraima. Pelo menos 570 meninos e meninas da etnia morreram de causas evitáveis nos últimos quatro anos, segundo apuração do site Sumaúma.

Frente a gravidade da situação, o Ministério da Saúde decretou Estado de Emergência e muitas crianças foram transferidas para hospitais, para receber atendimento médico. Além disso, o governo reforçou a segurança nas aldeias, para expulsar os garimpeiros, e cancelou um decreto do antigo governo que facilitava o garimpo em terras indígenas.

“Este ano, dois ministérios foram criados: dos Povos Originários e o da Igualdade Racial. Outro foi reativado, o Ministério da Cultura, que ficou desativado durante o governo [do ex-presidente Jair] Bolsonaro, o que é uma vergonha: um país sem Ministério da Cultura? Onde já se viu?”, questiona João Percassi, que tem 8 anos e mora em São Paulo. “O novo governo precisa garantir comida para as crianças e também que ele combata à violência contra menores, porque isso é crime”.

O novo governo recriou o Conselho de Segurança Alimentar, um órgão que tinha sido extinto apesar de ter a importante função de pensar e implantar políticas de combate à fome. Outra medida importante para as crianças foi derrubar normas que facilitam o acesso da população a armas de fogo, garantindo mais segurança para todos.


Representantes do povo brasileiro subiram a rampa com Lula no dia da posse / Ricardo Stuckert

Uma criança sobe a rampa

A equipe do Radinho BdF foi pessoalmente conhecer um menino que desde 1o de janeiro se tornou muito importante para o país: Francisco Carlos do Nascimento e Silva, de 10 anos, representou todas as crianças brasileiras ao subir a rampa ao lado do presidente Lula, lembrando que elas devem ser prioridade absoluta para os governos e para toda sociedade.

“Eu fiquei muito nervoso, muito alegre e pensei que nunca vou esquecer esse dia. A primeira vez que um presidente subiu a rampa com o povo brasileiro eu estava lá”, disse. “Tinha literalmente o povo brasileiro representado: indígenas, professores, pessoas com deficiência, catadores e eu, representando todas as crianças, que têm muitos sonhos a se realizar.”

Durante a posse, as crianças também marcaram presença entre os movimentos que foram apoiar e cobrar o novo. “Eu fui de avião, com a minha mãe e minha madrinha, e fiquei em um apartamento. Foi muito divertido, eu me emocionei porque eu já tinha visto o Lula de perto, mas ver ele se tornar presidente foi muito emocionante”, conta Bethania.

Quem também acompanhou presencialmente esse momento histórico foi o João, que compartilhou a experiência em uma entrevista nos estúdios do Brasil de Fato. “Eu fui de ônibus, com a minha mãe e meu pai, e nós acampamos no estádio Mané Garrincha. Tinha muita gente, de quase todos os estados”, contou. “Eu assisti a posse da Praça dos Três Poderes. Estava muito sol.”


Lula com os Yanomami: Ministério da Saúde resgata crianças desnutridas e doentes / Foto: Ricardo Stuckert

Sabatina mirim

Para não deixar os ouvintes do Radinho BdF com dúvidas sobre as ações do novo governo, as crianças entrevistaram o secretário nacional dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, Ariel de Castro Alves.

“Eu gostaria de saber o que o senhor vai fazer para combater a violência contra as crianças?”, questiona João. “E sobre as crianças que moram nas ruas e estão lá, na chuva e no frio?”, cobra Bethania.

Confira as respostas no podcast.


Defensores de golpe de estado, os autoproclamados "patriotas" destruíram prédios e bens públicos em Brasília / Marcelo Camargo/Agência Brasil

Resposta a tentativa de golpe

A invasão do Palácio do Planalto, do Supremo Tribunal Federal e do Congresso Nacional por bolsonaristas terroristas foi um episódio marcante história do nosso país.

Com a tentativa de derrubar o novo presidente e dar um golpe de Estado, milhares de pessoas invadiram prédios públicos, quebraram obras de arte, destruíram móveis, documentos e equipamentos de trabalho de autoridades, em cenas chocantes.

“Eu gostaria de saber porque os bolsonaristas quebraram as obras de arte”, questionou Dora, que tem quatro anos e mora no Rio de Janeiro.

Quem respondeu foi também o secretário Ariel de Castro Alves: “Não há uma justificativa plausível para uma manifestação desse tipo. É inaceitável que tenhamos manifestações terroristas e golpistas. Essas pessoas precisam ser investigadas e punidas.”

Aumente o som!

No Radinho BdF a diversão é sempre garantida para a garotada. O episódio é recheado de clássicos da MPB, como “Sujeito de Sorte”, do Belchior, “Divino Maravilhoso”, da Gal Costa e “História pra Ninar gente Grande”, da Marina Iris e da Leci Brandão.

Na Hora da História, a contadora Lara Chacon apresenta “O Rei de Quase Tudo”, um governante que queria ter para si até o perfume das flores. O livro foi escrito por Eliardo França e publicado pela Global Editora.


Toda quarta-feira, uma nova edição do programa estará disponível nas plataformas digitais / Brasil de Fato / Campanha Radinho BdF

Sintonize

O programa Radinho BdF vai ao ar às quartas-feiras, das 10h às 10h30, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo. A edição também é transmitida na Rádio Brasil de Fato, às 9h, que pode ser ouvida no site do BdF.

Em diferentes dias e horários, o programa também é transmitido na Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), e na Rádio Terra HD 95,3 FM.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o Radinho BdF de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected].

Edição: Sarah Fernandes