SAÚDE

Novo sistema usa dados do SUS para prevenir novos surtos de doenças infecciosas

Plataforma permite que cientistas rastreiem surtos em estágio inicial, integrando dados do SUS com outras fontes

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
fiocruz epidemia
Projeto foi lançado nesta terça-feira (14), durante a 6ª Conferência Global de Ciência, Tecnologia e Inovação (G-Stic), no Rio - Divulgação

Pesquisadores do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para a Saúde (Cidacs/Fiocruz) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lançaram nesta terça-feira (14) um sistema projetado para sinalizar novos surtos de doenças com potencial para causar emergências de saúde, uma ocorrência cada vez mais comum devido às mudanças climáticas, crescimento populacional e migração.

Leia mais: Vacinação contra a covid de crianças de 6 meses a 4 anos é retomada no Rio de Janeiro

O projeto Sistema de Alerta Precoce para Surtos com Potencial Epi-Pandêmico (Aesop) foi lançado durante a 6ª Conferência Global de Ciência, Tecnologia e Inovação (G-Stic), no Rio de Janeiro. A iniciativa tem o apoio do Ministério da Saúde, da Fundação Rockefeller e da Fiocruz, que coorganiza a conferência este ano.

A plataforma Aesop permitirá que cientistas da saúde rastreiem surtos em estágio inicial, integrando dados coletados do Sistema Único de Saúde (SUS) com outras fontes de dados de saúde, ambientais e sociodemográficos.

Continua após publicidade

O projeto possibilita que líderes de saúde explorem uma variedade de fontes de dados em um único sistema e, usando inteligência artificial e técnicas de aprendizado de máquina, identifiquem áreas onde as doenças infecciosas, como a dengue, provavelmente se espalharão rapidamente.

Leia também: Criado por usuários da rede de saúde mental, Bloco Império Colonial torna carnaval uma terapia

"A Aesop busca identificar geograficamente o início do surto por meio da análise de dados da Atenção Primária à saúde e outros dados relacionados às manifestações da doença, como venda de medicamentos e rumores nas redes sociais", explicou Manoel Barral-Netto, pesquisador da Fiocruz e coordenador do projeto.

O coordenador do projeto disse que após a identificação da área do surto, duas ações acontecem paralelamente para modelar o risco e as características da propagação do surto: as equipes de pesquisa coletam amostras de campo para identificar os agentes infecciosos envolvidos e os cientistas de dados da Aesop integram outros dados para modelar o desenvolvimento do surto e informar as medidas de controle.

A 6ª Conferência Global de Ciência, Tecnologia e Inovação (G-Stic), que ocorre de 13 a 15 de fevereiro, visa reunir a comunidade global de tecnologia sustentável e inovação para impulsionar a busca por soluções tecnológicas inovadoras, integradas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda