Infância e mídia

Direito das crianças à comunicação: Radinho BdF celebra três anos com jornalistas mirins

Programa conta a história de crianças jornalistas e radialistas em suas escolas, bairros e comunidades

Ouça o áudio:

Bem Viver na TV traz o Radinho BdF, programa de rádio do Brasil de Fato, dedicado aos pequenos e aborda a importância das informações para as crianças. - Pedro Stropassolas
Crianças têm opiniões muito interesses, que devem ser notadas; todas as opiniões importam

O Radinho BdF completa três anos levando informação jornalística de qualidade a meninos e meninas de diferentes regiões do país. Já são 113 programas e 56 horas de brincadeira no ar, fortalecendo o direito das crianças de ter acesso à informação de qualidade, adaptada para sua etapa do desenvolvimento.

Continua após publicidade

Para celebrar a data, o programa de hoje (5) dá espaço no microfone para crianças que atuam como jornalistas, radialistas e comunicadores em suas escolas, bairros e comunidades, provando que produzir comunicação é sim coisa de criança e que pode ser uma brincadeira divertida e cheia de aprendizados.

“Eu participo da Rádio Casa Grande FM, onde tenho um programa chamado ‘Submarino Amarelo’. É um programa que toca músicas e histórias infantis e que vai ao ar todos os dias, das 13h às 14h”, conta Ana Luíza, que tem 13 anos e mora em Nova Olinda no Ceará. Ela é integrante da organização não governamental Fundação Casa Grande, que mantém a rádio comunitária.

Quem estiver na região cearense do Cariri pode acompanhar a programação da rádio na frequência 104,9 FM. Também é possível conferir um pouco do trabalho das crianças radialistas no canal da fundação no Youtube, chamado TV Casa Grande.

“Eu também faço meu programa na Rádio Casa Grande FM. Ele se chama ‘Quarto Crescente’, toca vozes femininas e vai ao ar nos finais de semana”, diz a radialista mirim Ana Beatriz, que tem 14 anos e também mora em Nova Olinda. Na edição especial, ela assumiu a locução do Radinho BdF ao lado da apresentadora Camila Salmazio. “As crianças têm opiniões muito interesses que devem ser notadas pelas outras pessoas, afinal, a opinião de todo mundo importa.”


Crianças gerenciam, montam grade e apresentam programas em rádio FM do Ceará / Fundação Casa Grande

Jornalismo na escola

O rádio não é a única forma das crianças fazerem jornalismo. A repórter especial do Radinho BdF, Sarah Fernandes, foi conhecer crianças integrantes do Imprensa Jovem, um programa de educomunicação da prefeitura de São Paulo que convida os alunos do ensino fundamental a atuarem como repórteres em suas escolas e comunidades.

Pelo projeto, meninos e meninas sugerem temas para reportagens, fazem investigações, entrevistam pessoas de relevância no cenário nacional, cobrem eventos e escrevem e gravam as notícias, que são publicadas nas redes sociais da escola e nos canais oficiais do Imprensa Jovem.

“Nosso Imprensa Jovem é composto por grupos, que dividem tarefas: alguns alunos editam os vídeos, outros que fazem os roteiros, outros que gravam e tiram as fotos e outros ainda fazem as entrevistas. Eu estou no projeto desde os 7 anos e é muito bom as crianças aprenderem sobre comunicação desde cedo”, conta Isabella Lima, que tem 13 anos, mora em São Paulo e estuda na Escola Municipal M’Boi Mirim II.

Ela já participou de coberturas da Bienal do Livro, de corrida de carros da Fórmula E e de investigações sobre fakenews, direitos dos povos indígenas e combate ao racismo.


Crianças atuam como jornalistas nas escolas municipais de São Paulo, pelo projeto Imprensa Jovem / Imprensa Jovem/ EMEF Céu Meninos

Jornais para crianças

Há alguns anos, os principais jornais do país publicavam uma seção exclusiva para as crianças, com as principais notícias do país e do mundo, adaptadas para a idade das crianças. Porém, muitos desses suplementos deixaram de ser publicados.

Sorte que foram criados outros jornais e revistas especializados em jornalismo infantojuvenil, como o Jornal da Criança, que conta com a repórter mirim Isabela, de 11 anos, e a Revista Qualé, que mantém um conselho editorial formado por meninos e meninas.

“Nós atuamos como conselheiros, porque a gente dá ideia de matérias, fala o que gostou, o que pode melhor”, conta Ana Clara, de 10 anos, que mora em São Paulo. “A maioria das crianças não tem informação sobre as coisas que estão acontecendo no mundo. Nas revistas infantis, os textos são fáceis de entender.”

Festa, sinônimo de diversão

E já que o programa é uma comemoração ao aniversário do Radinho BdF, não podia faltar música e brincadeiras. A Vitrolinha BdF põe som na caixa com “Se o Rádio não Toca” do Raul Seixas, “Pela Internet”, do Gilberto Gil, e “Para ouvir no Rádio”, do Jorge Ben Jor.

Na Hora da História, o professor de teatro Victor Cantagesso solta a voz em “As Certezas de Joana”, escrito por Iná Carolina.

E pra completar a diversão, Cynthia Arcângelo, das Oficinas Verde e Rosa ensina as crianças a produzirem suas próprias reportagens jornalísticas, brincando.


Toda quarta-feira, uma nova edição do programa estará disponível nas plataformas digitais. / Brasil de Fato / Campanha Radinho BdF

Sintonize

O programa Radinho BdF vai ao ar às quartas-feiras, das 10h às 10h30, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo. A edição também é transmitida na Rádio Brasil de Fato, às 9h, que pode ser ouvida no site do BdF.

Em diferentes dias e horários, o programa também é transmitido na Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), e na Rádio Terra HD 95,3 FM.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o Radinho BdF de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected].

Edição: Sarah Fernandes