ANÁLISE POLÍTICA

'Tem que pagar pelos crimes', diz Sâmia Bomfim sobre omissão de Bolsonaro com Yanomamis

A deputada federal do PSOL esteve na Feira Nacional da Reforma Agrária e criticou a postura do ex-presidente

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Sâmia Bonfim criticou a postura do último governo frente a situação da TI Yanomami - José Bernardes e Igor Carvalho

Começou nesta quinta-feira (11), em São Paulo, a quarta edição da Feira Nacional da Reforma Agrária. O evento é organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e para celebrar a união entre o campo e a cidade na defesa da comida saudável.

Continua após publicidade

Nesta sexta-feira (12/05), diversos parlamentares do campo progressista participaram de um café da manhã durante a feira e comentaram a conjuntura política. Os debates promovidos no evento foram destaque no programa Central do Brasil.

Sâmia Bomfim, deputada federal pelo PSOL, comentou a negligência do governo Bolsonaro sobre o garimpo em terra indígena Yanomami, segundo reportagem do portal UOL, o governo Bolsonaro sabia do avanço do garimpo no território Yanomami, em Roraima, e decidiu não agir. Ele foi alertado sobre a gravidade da situação por entidades como a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai). 

“Ficou evidente que foram anos de descaso e ter acesso a informação de que teve um pedido da própria Funai para que se tomassem medidas urgentes e que [Bolsonaro] não se importou só torna ainda mais necessária a nossa palavra de ordem de que não deve ter anistia. Acho que ele tem que pagar pelos crimes que cometeu contra o povo, contra o nosso país e contra o nosso direito à vida.”

Juliano Medeiros, presidente do PSOL declarou que o ex-presidente agia deliberadamente contra os povos indígenas. “Houve uma ação deliberada para tentar exterminar aquele povo, quando a gente fala de genocídio do Bolsonaro não é só uma palavra forte para atacar um inimigo político, ele de fato teve as informações necessárias diante de si para agir e combater o genocídio que estava em curso e optou conscientemente por não enfrentar o problema.”

Outros temas presentes no parlamento brasileiro foram comentados por parlamentares, o deputado Orlando Silva falou sobre a pressão das big techs contra a aprovação do PL das Fake News. “A internet não pode seguir uma a terra sem lei é necessário que nós tenhamos regras que garantam responsabilidades para essas multinacionais, que são grandes empresas que tentam interferir até mesmo na vida política do Brasil”, disse o deputado. 

A deputada estadual Rosa Amorim falou sobre a ofensiva do agronegócio por meio da CPI do MST no Congresso contra o movimento. “Eu acredito que a CPI, construída para criminalizar o MST é só uma artilharia para tirar os olhares daquilo que a sociedade brasileira precisa olhar sim com cuidado, que é a investigação em relação ao ataque à democracia no início de janeiro.”


Assista agora ao programa completo:

 


E tem mais!

Ceará

A delegação do estado nordestino dobrou o número de produtos levados à Feira Nacional da Reforma Agrária.

Comida regional

A repórter Luana Ibelli traz os destaques da comida alagoana na Feira Nacional da Reforma Agrária, que ocorre em São Paulo.

Educação antirracista

No dia 13 de maio completam-se 135 anos da abolição da escravatura, uma data histórica na luta do povo negro por liberdade e dignidade na sociedade brasileira. Uma das trincheiras dessa luta é a educação antirracista. Apesar de ser lei, nem todas as escolas conseguem lecionar a história da África e da cultura afro-brasileira.
 

Edição: Rodrigo Durão Coelho