ENSAIO FOTOGRÁFICO

As moradias que nunca chegaram: uma história em fotos do digital ao analógico

Fotorreportagem apresenta a duplicação da Avenida Tronco em Porto Alegre, umas das obras da Copa do Mundo de 2014

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Na Vila Icaraí II, às margens do Arroio Cavalhada, Bairro Cristal, moradora Maria de Lourdes da Luz que aguardava solução de seu reassentamento originado devido à duplicação da Avenida - Foto: Cristina Rosa

A periferia, para existir, precisa resistir. Viver na vila exige envolvimento. O direito à moradia é garantido apenas no artigo 5º da Constituição Federal, em seu inciso XI, que traz o seguinte texto: “A casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial”.

Continua após publicidade

A fotorreportagem, tem como tema a duplicação da Avenida Tronco e as moradias que nunca chegaram. Uma história contada a partir de fotografias do digital ao analógico, o impacto da especulação imobiliária sobre quem sofre a sua ação.

As fotos estão divididas em duas linhas temporais: no passado e no agora. No passado, as fotos são digitais e coloridas, nos mostram a disputa pela permanência no território-bairro, das pessoas atingidas no Bairro Cristal, a formação de fotógrafos do próprio território que narram essas transformações, os destroços das casas derrubadas e as marcas da luta comunitária em cartazes.

No agora, as fotos são analógicas, rudimentares, captadas por câmeras de lata, a técnica do tempo lento, com câmeras escuras, a fotografia pinhole em filmes radiográficos que registram o saldo político de 5 dos 9 terrenos desapropriados pelo município, a partir da luta do Movimento comunitário “Chave Por Chave” e do “Comitê Popular da Copa Cristal”, que registramos. Terrenos desapropriados em 2011, mas que seguem vazios, sem placa de identificação, alguns cercados por cerca de concreto e tomados por mato, tendo de tudo nos terrenos, menos casas.

Nas fotos, o registro do trabalho do Coletivo Imagens Faladas.


Saída de campo do Coletivo Imagens Faladas para fazer ensaios fotográficos da Vila Ecológica, Morro Santa Tereza. A estudante do ensino médio Maria Antônia Nobre com a câmera digital e, na mão do educador Leandro Artur Anton, a câmera escura de caixa de fósforos com filme 35mm, câmera rudimentar conhecida como pinhole / Foto: Cristina Rosa


Alunos do Coletivo Imagens Faladas registram os avanços das obras da tronco no território da comunidade Vila Cristal, no Bairro Cristal, extremo oeste da Avenida Tronco que conecta com a Avenida Icaraí / Foto: Cristina Rosa


Comunidade Vila Cristal afetada pelas obras da Tronco com abertura/alargamento da Avenida Divisa, moradias atingidas pela duplicação às margens do Arroio Sanga da Morte. Rua Curupaiti, Bairro Cristal / Foto: Cristina Rosa


Estêncil com a frase” Despejaram nóis de casa e botam nois na rua, Copa 2014”, no tapume de uma demolição de casa que estava no traçado da duplicação da Avenida Tronco. Sinaliza que as pessoas foram despejadas e não tiveram suas casas construídas nos terrenos conquistados pelo movimento comunitário. Dezembro de 2014 / Foto: Cristina Rosa


O simbolismo do balde, vassoura e saco de lixo (os objetos de uma casa) indica que mesmo a parede estando pela metade, os enfeites de natal permanecem na parede de concreto e reforçam que ali já foi um lar. Vila Cristal, no traçado da duplicação da avenida. Dezembro de 2014 / Foto: Cristina Rosa


Fragmento do cartaz do Movimento “Chave por Chave”, chave com uma casa, e não ao aluguel social. As duas coisas mais importantes do movimento: só sair da sua casa quando você tiver a chave da sua outra casa definitiva. Vila Cristal, no traçado da duplicação da Avenida Tronco. Dezembro de 2014 / Foto: Cristina Rosa


Placa que identificava o terreno desapropriado destinado à produção habitacional para o reassentamento dos atingidos pela duplicação da Avenida Tronco. Terreno no Bairro Cristal, junto a Vila Cristal na Rua Jaguari esquina com a Rua Arapeí. Dezembro de 2014 / Foto: Cristina Rosa


Terreno da Rua Jaguari n.º 563 e 573, Bairro Cristal (2023), desapropriado pelo decreto n.º 16.981 de 10/03/11, e segue ainda hoje desocupado / Foto: Cristina Rosa


Terreno da Rua Comandaí n.º 551 esquina com a Rua Raul Moreira, no acesso para as Vilas Pedreira e Vila Mato Grosso, Bairro Cristal (2023) desapropriado em 2011, e segue ainda hoje desocupado / Foto: Cristina Rosa


Terreno da rua Comandaí n.º 196, bairro Cristal (2023)., desapropriado pelo decreto n.º 16.954 de 04/02/11, e segue ainda hoje desocupado / Foto: Cristina Rosa


Terreno da Rua Comandaí nº 437, esquina com Inhanduí, Bairro Cristal (2023). Terreno desapropriado pelo decreto n.º 16.953 de 04/02/11, e segue ainda hoje desocupado / Foto: Cristina Rosa


Terreno da Rua Jaguari n.º 516 e 526 esquina com a Rua Arapeí, Bairro Cristal (2023)., junto a um dos acessos da Vila Cristal (6) / Foto: Cristina Rosa

 

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko