SUBIU O TOM

Exigências da União Europeia para acordo com Mercosul são inaceitáveis, diz Lula

"É preciso que cada um abra mão do seu perfeccionismo, e do seu protecionismo também", diz presidente em Roma

Botucatu (SP) |
Lula acha que a Europa precisa ter mais "sensibilidade e humildade" - Ricardo Stuckert/PR

“A carta adicional que a União Europeia mandou para o Mercosul é inaceitável”. Foi dessa forma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se referiu, durante entrevista coletiva concedida em Roma nessa quinta-feira (22), ao documento enviado em março pelos europeus, no âmbito das discussões sobre o acordo de livre comércio entre os dois blocos econômicos, que prevê sanções aos países que não cumprirem as metas ambientais definidas no Acordo de Paris.

Continua após publicidade

“Nem eles cumpriram o acordo de Paris. Os países ricos não cumpriram o acordo de Paris, o protocolo de Quioto, a decisão de Copenhague”, afirmou, referindo-se às decisões tomadas nos últimos fóruns internacionais de debate sobre questões climáticas. “Então é preciso ter mais sensibilidade e humildade. Estamos preparando nossa resposta e vamos ver se encontramos um jogo de ganha-ganha, e não de ganha-perde, ou de perde-perde”.

Continua após publicidade

O acordo vem sendo debatido há mais de 20 anos e estagnou no passado recente, quando o desmatamento na Amazônia aumentou e a política ambiental do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) assustou a Europa, uma vez que esse tema é uma bandeira fundamental para a Europa hoje.

Continua após publicidade

Dez dias atrás, quando esteve com a presidente da Comissão Europeia (braço executivo da UE), Ursula von der Leyen, Lula já havia reclamado da carta adicional, ao afirmar que “a premissa que deve existir entre parceiros estratégicos é a da confiança mútua e não de desconfiança e sanções”. Dessa vez, em Roma, o presidente brasileiro subiu o tom da crítica.

Continua após publicidade

“Estarei com o (presidente francês Emmanuel Macron) e vou conversar com ele, porque a França é muito dura na defesa dos seus interesses agrícolas. Acho maravilhoso que ele defenda sua agricultura, mas tem que entender que os outros têm o direito de defender as suas. É preciso que cada um abra mão do seu perfeccionismo, e do seu protecionismo também”.

Lula deu essa declaração após um dia intenso de encontros na capital italiana e em seguida embarcou para a França, onde participa da Cúpula sobre o Novo Pacto Global de Financiamento e terá encontro bilateral com Macron.

Em Roma, Lula esteve com a primeira-ministra Georgia Meloni, o presidente Sergio Mattarella, o papa Francisco, o prefeito de Roma, Roberto Gualtieri, entre outras figuras da política local. O presidente brasileiro disse ter ficado surpreso ao saber que nem a primeira-ministra nem o presidente conhecem o Brasil e declarou que isso é “no mínimo estranho” uma vez que no Brasil vivem 30 milhões de italianos e descendentes. “Por isso convidei os dois para visitarem o Brasil”.

O Brasil, lembrou Lula, será o próximo presidente do G20 e a Itália, do G7, “então teremos a oportunidade de aperfeiçoar não apenas a relação Brasil-Itália, mas também de criar uma relação mais moderna, mais civilizada entre União Europeia e América Latina”.

Edição: Thales Schmidt