análise

Do pó às cinzas: a situação das queimadas no Amazonas

Foco de incêndios no Amazonas, município de Autazes está no epicentro da predação capitalista

Manaus (AM) |
Barcos ancorados no Rio Negro em 13 de outubro, encobertos por véu de fumaça - Michael Dantas / AFP

Em 14 de outubro de 2023, Manaus acordou sob forte chuva. A fumaça foi dissipada e é possível ver a margem direita do Rio Negro, cujas belas e generosas águas banham nossa cidade, tão maltratada pelo poder.  Ao longo de mais de uma semana, a cidade esteve sufocada pela poluição do ar provocada por incêndios que, suspeita-se, são criminosos. Vivemos, nesse tempo, a inclemência do calor combinada à inalação da natureza dissolvida em ar fumacento. O aquecimento global e o crime ambiental tomaram nossos corpos, por dentro e por fora.

Continua após publicidade

Ao fenômeno climático e à perversão ilegal – pois há as aceitas legalmente –, soma-se a omissão governamental. As entidades responsáveis pela prevenção e combate à catástrofe estão entre precarizadas e paralisadas. Com poucos equipamentos, recursos e pessoal, a estrutura dos órgãos de fiscalização, controle e contenção de processos como esses está em frangalhos. E não é de hoje! A reconstrução, lenta e travada, mal consegue fazer frente ao acelerado processo de destruição que o país viveu nos últimos anos.

Continua após publicidade

:: Seca catastrófica na Amazônia ameaça produção sustentável que mantém floresta em pé ::

Continua após publicidade

Não bastasse essa liquidação do poder público ou das condições materiais para o cumprimento de suas funções, vemo-nos diante de governantes indecisos, vacilantes e/ou cumplices. O governador do Amazonas, o prefeito de Manaus e os parlamentares silenciam. O silêncio, o vacilo e a indecisão têm nome: negacionismo. E este é cria do oportunismo de extrema direita. Tal perspectiva autoriza seus crentes a, diante da previsível tragédia, reivindicar duas medidas reparatórias: o combate ao fogo e a reconstrução da BR 319!

Continua após publicidade

Não custa recordar que o município de Autazes, parte da Região Metropolitana de Manaus, e onde se concentram os focos de incêndio neste outubro de 2023, converteu-se há dois anos no epicentro estratégico da predação capitalista, sitiada que foi, em novembro de 2021, por um paredão de mais de 300 balsas de garimpeiros. Terra do guerreiro povo Mura, Autazes (e municípios próximos) está no centro do propalado eldorado potassiano, com orgânico apoio institucional, inclusive de nossa centenária UFAM.

O projeto político dos piromaníacos oportunistas é tornar os amazônidas cinzas. O fogo de que a Amazônia necessita não é o de origem criminosa, promovido pela venalidade da ganância capitalista, mas o fogo da resistência dialética, desde o velho Heráclito de Éfeso, na Hélade Antiga, àquele aceso pela luta indígena e cabana da Hileia, de ontem e de hoje. No evangelho da política local, eles pregam: de pulvere veniste in cinerem fies
Fazem do Genesis um Apocalipse!

*José Alcimar de Oliveira e Marcelo Seráfico são professores da Universidade Federal do Amazonas.

***Este é um artigo de opinião e não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato.

Edição: Raquel Setz