Juventude em Luta

Articulação camponesa doa 5 toneladas de alimentos para 600 famílias do Distrito Federal

No Dia Mundial da Alimentação, iniciativa da Via Campesina visa o combate à fome e a valorização da agriculta camponesa

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
Camilo Augusto (à frente) avalia que iniciativa é laço sólido entre campo e cidade - Daniel Violal

A Via Campesina, uma articulação internacional camponesa da qual faz parte o Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), doou 5 toneladas de alimentos para 600 famílias do Sol Nascente – região administrativa do Distrito Federal que é considerada a maior favela do Brasil. 

Continua após publicidade

Com a participação de 200 jovens camponeses, a atividade faz parte da programação do Acampamento Nacional “Juventude em Luta por Terra e Soberania Popular” e foi realizada nesta segunda-feira (16), no Dia Mundial da Alimentação. 

“Esta ação é exemplo e expressão da importância central dos povos do campo, das águas e das florestas como parte fundamental da solução do problema da fome no Brasil”, explica Camilo Augusto, militante do Coletivo de Juventude do MST que coordenou a atividade. 

:: Em dia de mobilização contra fome, governo anuncia R$ 250 mi para compra de alimentos da agricultura familiar ::

Para ele, a iniciativa possibilita a “construção de laços sólidos entre trabalhadores do campo e da cidade a partir da solidariedade”. E explica que não se trata de uma caridade, de “dar o que sobra”. “Trata-se de partilhar o que temos com quem precisa” e, dessa forma, mostrar que estes povos estão “produzindo alimentos para o povo e protegendo o meio ambiente”, considera.

Moradores da Vila dos Carroceiros, do Córrego da Coruja e da Fazendinha, localizados no trecho 3 da comunidade Sol Nascente, receberam doações de cestas com arroz, farinha, verduras e legumes. 


Articulação camponesa se juntou com movimento social no DF para realizar a ação / Daniel Violal

O caminhão com os alimentos chegou na comunidade por volta de 16h. Devido a problemas estruturais e as “más condições da estrada”, segundo explicou o morador do Sol Nascente Nilson Alexandre, a juventude precisou andar 2km até o ponto onde seria feita a ação. 

Apesar da dificuldade, “foi uma ação linda”, descreveu Nilson, que é um dos coordenadores do Movimento de Trabalhadores e Trabalhadoras Por Direitos (MTD), acrescentando que os moradores que receberam a doação – catadores de reciclagem, trabalhadoras domésticas, desempregados – estão em situação de vulnerabilidade social e alimentar e que “realmente” estavam precisando. 

Susana Rodrigues da Silva, que também é moradora do Sol Nascente e militante do MTD, descreveu o encontro como “muito gratificante” e “enriquecedor”. 

A iniciativa tem como pano de fundo o combate à fome e a necessidade de valorização da agricultura camponesa, como explicou a militante do MST Renata Menezes.

“São os camponeses quem podem garantir que tenhamos um país sem fome e sem miséria, por isso, são necessárias políticas públicas que valorizem e impulsionem a produção deste segmento”, concluiu.


600 toneladas de alimentos doadas no Dia Mundial da Alimentação / Daniel Violal

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino