CENTRAL DO BRASIL

Queda nas inscrições do Enem é reflexo de desmonte em políticas de educação, avalia educadora

Estudantes não veriam mais ensino superior como forma de ascensão social

Brasil de Fato|Recife(PE) |
O Enem, além de avaliar o desempenho escolar dos estudantes, possibilita o ingresso em instituições de ensino superior públicas ou privadas, por meio do Sisu, Prouni e Fies - AFP

Quase quatro milhões de estudantes estão inscritos para participar do Exame Nacional Nacional do Ensino Médio(Enem), que será aplicado nos dias 5 e 12 de novembro. Apesar de ser um número relevante, o quantitativo ainda é muito abaixo do registrado entre os anos de 2012 e 2016, quando atingiu mais de nove milhões de inscritos. 

A educadora popular e integrante da Rede de Cursinhos Populares Podemos +, Lorrana Nascimento, acredita que isso é um reflexo do que o ensino superior representa hoje para a juventude. Ela participou do Central do Brasil desta terça-feira(31) e analisou o contexto de aplicação do exame este ano. 

"Um dos fatores é essa descaracterização do ensino superior público, em que os jovens não apostam mais nesse caminho como perspectiva de ascensão", descreve, relembrando que, entre 2012 e 2016, durante os governos petistas, os investimentos em educação se traduziam em interesse em ingressar no ensino superior. 

"Eu acredito que esta baixa mobilização dos estudantes se da, principalmente, por uma certa descrença no próprio ensino como perspectiva de ascensão social e também por conta desse último período, do último governo, que atacou severamente a educação", explicou. 

Os candidatos criticaram este ano os locais de prova indicados pelo Inep, que ficavam muito longe do endereço residencial dos estudantes. Cerca 50 mil pessoas foram afetadas por esta situação.

Diante das críticas, o Inep informou que reaplicará as provas nos dias 12 e 13 de dezembro, para quem tiver interesse e comprovar que mora a, pelo menos, 30km do local de prova indicado no cartão de inscrição. 

Continua após publicidade

Os novos locais de prova ainda serão informados. No geral, a decisão não altera o cronograma oficial e o exame ainda está mantido para os dias 5 e 12 de novembro. 

Lorrana revela que estas falhas no processo afetam o psicológico dos candidatos e pode interferir no desempenho deles no exame. 

"Isso acaba afetando de maneira muito significativa o preparo emocional que esses estudantes estão tendo a partir do ano todo. Acredito que acaba dificultando um pouco esse processo de engajamento", refletiu. 

Apesar desses impactos, Lorrana também avalia que foi uma decisão importante do Inep de garantir pelo menos um novo dia de prova para pessoas que foram prejudicadas. 

Lorrana também falou sobre a importância do governo federal centralizar as decisões da gratuidade no transporte público, com o objetivo de garantir que todos os candidatos, em todas as cidades, tenham o mesmo direito ao passe livre no dia da prova. 

A entrevista completa está disponível na edição desta terça-feira(31) do Central do Brasil no canal do Brasil de Fato no YouTube



E tem mais! 

Histórias de vida 

Estudante palestino que vive em Cuba conta como foi crescer em Gaza. A Escola Latinoamericana de Medicina, em Havana, oferece bolsas de estudo para palestinos. Nosso correspondente em Cuba conversou com um desses jovens. Ele nasceu e cresceu em Gaza, onde a família vive até hoje, e conta que a violência de Israel sempre fez parte do cotidiano.

Oposição na Venezuela

A justiça da Venezuela suspendeu, nesta segunda-feira, as eleições primárias que decidiram a candidatura única da oposição. Segundo a procuradoria venezuelana, estão sendo investigados crimes eleitorais, financeiros e casos de conspiração. Cerca de 2 milhões de pessoas participaram do processo no dia 22 de outubro, e a ultraliberal Maria Corina Machado saiu vencedora

O Central do Brasil é uma produção do Brasil de Fato. Ele é exibido de segunda a sexta-feira, ao vivo, sempre às 13h, pela Rede TVT e por emissoras parceiras. 



 

Edição: Rodrigo Durão Coelho