Massacre

Governo de Israel apresenta plano para controlar Gaza por tempo indefinido; brasileiros não conseguem deixar a região

A declaração de Netanyahu contraria posicionamento anterior do ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
"Procurado por genocídio e crimes contra o povo palestino", diz cartaz em manifestação no Chile - Martin BERNETTI / AFP

O primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu, apresentou planos para controlar o território palestino da faixa de Gaza por "tempo indeterminado" , nesta terça-feira (7), quando a ofensiva israelense completa um mês.

Continua após publicidade

A declaração foi feita em entrevista ao canal estadunidense ABC News. O ataques israelenses mataram mais de 10 mil pessoas, sendo 4.100 crianças segundo o Ministério de Saúde em Gaza. Os ataques do Hamas fizeram 1.400 vítimas fatais, segundo autoridades israelenses.

A declaração de Netanyahu contraria o posicionamento anterior do ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, que afirmou que "nem Israel, nem o Hamas" iria governar Gaza após o fim dos combates. No domingo, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, pediu o cessar-fogo na Faixa de Gaza e indicou que a organização estaria disposta a  regressar a Gaza como parte de um futuro acordo político.

:: Marcha por Palestina livre em Washington foi a maior da história: 'EUA financiam genocídio' ::

“Assumiremos plenamente as nossas responsabilidades no âmbito de uma solução política abrangente que inclua toda a Cisjordânia [ocupada], incluindo Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza”, disse Abbas ao secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, que visitava Ramallah, na Cisjordânia. O aceno foi retribuído por Blinken, que disse considerar a Autoridade Palestina como a organização mais  bem posicionada para administrar Gaza quando os combates terminarem.

Como consequência dos Acordos de Oslo de 1993, a Autoridade Nacional Palestina foi estabelecida como órgão provisório para governar a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Com o controle do Hamas sobre a Faixa de Gaza, a AP exerce hoje seu governo na Cisjordânia.

:: Aliado-chave de Israel, Jordânia convoca embaixador devido a ataques ::

A visita de Blinken à região terminou nesta terça-feira, sem que os EUA conseguissem qualquer trégua nos ataques de Israel sobre o território palestino. As tropas israelenses avançaram ainda mais por terra e chegaram à região de fronteira com a Cidade de Gaza. 

Brasileiros permanecem em Gaza

Os 34 brasileiros que aguardam autorização para deixar a Faixa de Gaza não foram contemplados na 5ª lista com estrangeiros autorizados a deixar a região divulgada nesta terça-feira (7). Com o nome de 605 estrangeiros, a lista é composta por cidadãos da Alemanha (159), Romênia (104), Ucrânia (102), Canadá (80), França (61), Moldávia (51), Filipinas (46), Reino Unido (2).  

Segundo o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, a expectativa é que os cidadãos brasileiros abrigados nas cidades de Khan Younes e Rafah, próximas à fronteira com o Egito, sejam incluídos na lista desta quarta-feira (8). Fechada no último sábado (4) depois que Israel bombardeou um comboio de ambulâncias com feridos que haviam sido autorizados a deixar o país, a fronteira de Rafah só foi reaberta nessa segunda-feira (6). 

Devido ao cerco imposto por Israel à Faixa de Gaza, os brasileiros e as agências de ajuda humanitária têm relatado falta de água potável, eletricidade, alimentos e remédios no enclave palestino. Segundo a ONU, a ajuda humanitária autorizada a entrar é insuficiente para cobrir as necessidades de cerca de 2,2 milhões de pessoas.

*Com informações de The Washington Post, Al Jazeera e Agência Brasil

Edição: Rodrigo Durão Coelho