PATRIMÔNIO

'Inventário Participativo Caminhos Guaranis' será lançado nesta terça-feira (14) em Porto Alegre (RS)

Publicação se constituiu de pesquisa antropológica e documental junto à comunidade indígena multiétnica

Brasil de Fato | Porto Alegre |
O lançamento do Inventário Participativo Caminhos Guaranis será na sede do Centro de Referência Indígena-Afro do RS, em Porto Alegre - Divulgação/ MPF

Iniciativa do Centro de Referência Indígena-Afro do Rio Grande do Sul (Cria-RS) em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a publicação "Inventário Participativo Caminhos Guaranis" será lançada nesta terça-feira (14). O evento tem entrada franca e ocorre às 19h, na sede do Cria-RS (Travessa Comendador Batista, 26, Porto Alegre). 

Continua após publicidade

:: Museu das Culturas Indígenas inova com gestão compartilhada e valorização das diversidades ::

Continua após publicidade

De autoria de pesquisadoras de diversas áreas do conhecimento científico e ancestral, o Inventário Participativo Caminhos Guaranis se constituiu de pesquisa antropológica e documental junto à comunidade indígena multiétnica que se formou a partir das atividades do Cria-RS.

Continua após publicidade

Ainda, segundo seus organizadores, é um desdobramento da política de salvaguarda patrimonial que reconheceu a Tava Guaranítica como Lugar de Referência para o Povo Guarani (2014). Todo o trabalho contou com metodologia desenvolvida pelo Iphan.

Continua após publicidade

Sobre a iniciativa

O Inventário Participativo Caminhos Guaranis relata e sistematiza parte da trajetória do Centro de Referência Indígena do Rio Grande do Sul, fundado e dirigido pela cacica guarani Kerexu Takuá. A pesquisa e elaboração da obra teve coordenação geral da antropóloga Marília Floôr Kosby. O projeto gráfico foi feito pelo margem_lab (laboratório de narrativas urbanas/UFGRS), coordenado pela arquiteta Daniele Caron.

Os textos foram escritos a muitas mãos, do mesmo modo com que o Cria-RS foi se constituindo como uma referência para o Povo Guarani e outros povos indígenas que passam por Porto Alegre. A impressão foi realizada pela gráfica da Ufrgs, através do projeto de extensão Kombit - mutirão por moradia (Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre Migrações/Ufrgs), coordenado pela socióloga Pâmela Marconatto Marques.

A metodologia de Inventários Participativos sugerida pelo Iphan visa produzir conhecimento a respeito de referências culturais, a fim de incluí-las nas políticas do patrimônio imaterial brasileiro.

:: Coletivo Preserva Redenção pede ao Iphan tombamento nacional do Parque Farroupilha ::


Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira