Escândalo

Após denúncias de compra de votos, Padilha diz que governo não fará 'pré-julgamento' de Fufuca

Questionado sobre o caso, ministro disse que governo não vai tomar atitude baseada em matéria de imprensa

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
Empresário Marcus Sales
Empresário Marcus Sales com bolos de dinheiro - Reprodução

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta terça-feira, (28), que o governo não faz “pré-julgamento” e não vai tomar nenhuma atitude enquanto a Polícia Federal não concluir seu trabalho, ao ser questionado sobre o fato de o ministro dos Esportes, André Fufuca ser investigado por compra de votos na eleição de 2018, como revelou o Brasil de Fato. 

Continua após publicidade

“Ninguém vai tomar qualquer atitude a partir de uma matéria de imprensa. Esse governo não toma qualquer atitude baseado no ‘se’ ou em trabalhos não concluídos ainda”, afirmou o ministro ao ser questionado sobre a reportagem que revelou o inquérito da Polícia Federal envolvendo Fufuca e também as investigações envolvendo o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (UNIÃO). 

Os dois ministros são indicações do centrão, grupo político capitaneado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e que vem pressionando o governo Lula por mais cargos e verbas desde o começo do ano.   

:: Atender demandas do centrão não enfraquece o bolsonarismo, avalia Juliano Medeiros, do PSOL ::

Em coletiva nesta manhã no Palácio do Planalto, Padilha ainda afirmou que o governo respeita os trabalhos da Polícia Federal. “Ninguém vai tomar qualquer atitude sobre o ‘se’. Esse é um governo que não toma atitude sobre o se, é um governo que não faz nenhum pré-julgamento, é um governo que acredita no trabalho da Polícia Federal e que só toma atitudes quando a Polícia Federal desenvolver seu trabalho, concluir seu trabalho”, afirmou aos jornalistas. 

O presidente Lula viajou nesta segunda-feira para a COP28, em Dubai, e não se manifestou sobre o caso ainda. Como revelou o Brasil de Fato, o atual ministro do Esporte é investigado pela Polícia Federal após agentes da corporação flagrarem um grupo com bolos de dinheiro e santinhos do então candidato a deputado André Fufuca na véspera da eleição de 2018. 

Ao periciar os aparelhos celulares dos investigados, os policiais se depararam com conversas que falam abertamente em compra de votos, incluindo uma negociação de voto em troca de chuteira, além de fotos em um grupo de apoiadores de Fufuca com imagens de bolos de dinheiro na véspera do primeiro turno daquele ano. 

Por meio de nota, o Ministério do Esporte afirmou que "o ministro André Fufuca não compactua com qualquer ato ilícito, não é responsável por ação de terceiros e confia que a justiça vai esclarecer todos os fatos".

Edição: Rebeca Cavalcante