Articulação

Partidos lançam Fórum Permanente de Oposição ao Governo Ibaneis no DF

Objetivo é combater o ciclo de privatizações e austeridades do governo; plano de ação será discutido em janeiro

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
Coalizão foi lançada nesta segunda (5) na CLDF - Foto: Jorge Monicci

Uma coalizão de partidos políticos no Distrito Federal, formada pelo PT, PSB, PSOL, Rede, PCdoB, PDT e PV, lançou nesta segunda-feira (5), na Câmara Legislativa (CLDF), o Fórum Permanente de Oposição ao governo Ibaneis. O evento contou com a presença de parlamentares, ex-parlamentares, representantes de movimentos sociais e sindicais.

Continua após publicidade

“A ideia é fazermos encontros mensais para discutir temas de oposição ao Governo Ibaneis. Queremos com esse processo, construir uma ação cotidiana para estarmos juntos em um processo de 2026. Queremos juntar homens e mulheres, negros, jovens, LGBTs, toda a população do Distrito Federal em oposição ao governo Ibaneis ”, observou o presidente do PT-DF, Jaci Afonso, durante o lançamento do Fórum.

A presidenta do PSOL-DF, Giulia Tadini, destacou a importância da unidade e articulação. “Temos essa agenda da privatização do Centro e da Rodoviária, fruto dessa articulação é o adiamento da votação, isso já é uma vitória, fortalecendo a pauta, dizendo que a nossa cidade não está à venda e outras pautas que vão nos colocar desafios permanente, como a questão da saúde, a questão das privatizações. Sabemos os desastres que são as privatizações, se o Ibaneis passa a privatização da Rodoviária tem um pacote de privatizações que podem vir depois, como Metrô, Caesb e outros patrimônios públicos do povo do Distrito Federal”.

Leia mais: Manifestantes fazem ato na Câmara do DF contra a privatização de rodoviária

Todos os seis parlamentares que atuam na oposição ao governo na CLDF participaram da atividade.

O deputado distrital Fábio Félix (PSOL) sobre o enfrentamento à extrema direita no DF. “O primeiro deles é a unidade para enfrentar a extrema direita neste país, já que ela continua viva, forte, atacando direitos sociais, direitos humanos e silenciando a diversidade. Essa extrema direita que atua muito forte aqui na Câmara Legislativa, na Câmara Federal e atua na sociedade, porque foi se o tempo que ela atuava só no parlamento, hoje ela está em muitos espaços, por isso nossa organização tem que ser para além dos partidos, na sociedade, enraizada”, ressaltou.

O também distrital Chico Vigilante (PT), afirmou que o objetivo de uma aliança parlamentar contra a privatização é importante no momento, “porque o projeto de concessão da rodoviária está sendo colocado aqui desde 2021, e estamos tentando barrar desde então. A mesma coisa aconteceu com a privatização da CEB Distribuidora, enfrentamos em todos os fóruns, inclusive na Justiça, a tentativa de barrar a privatização, que nós entendemos que foi ilegal. E existem outras, certamente ele vai querer fazer, como por exemplo, abrir o capital da CAESB”.

:: Justiça mantém condenação de Ibaneis Rocha por doação indevida de insumos na pandemia ::

Vigilante destacou ainda as dificuldades de fazer oposição no parlamento, com maioria de base governista. “Fazer oposição não é só uma intenção, requer organização e temos feito isso aqui, quase que milagre aqui dentro”, apontou.


Gabriel Magno falou da importância das ações do Governo Federal no GDF / Foto: Jorge Monicci

Os deputados Gabriel Magno (PT), Ricardo Vale (PT), Max Maciel (PSOL) também apontaram a importância do Fórum e apontaram os desafios da articulação e aproximação do diálogo com o povo. “Temos diferenças partidárias, mas nós estamos unidos num propósito e temos o desafio de mostrar para as pessoas que esse governo não está bom”, ressaltou a deputada distrital Dayse Amarilio (PSB), que destacou a situação grave na saúde pública.

Ampliar diálogo

“Precisamos ampliar o diálogo com a população, ampliar o diálogo com os evangélicos, é fundamental encontrarmos pontes, precisamos recuperar a relação com as entidades da sociedade civil”, alertou o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Leandro Grass, que é ex-deputado distrital e foi candidato ao Governo do Distrito Federal em 2022, pela federação PT-PV. Grass apontou também a necessidade urgente de discutir comunicação de forma estratégica para combater a desinformação e disputar as narrativas na sociedade.

Candidatas nas eleições do ano passado, Keka Bagno (PSOL), Rosilene Correa (PT) também participaram da atividade, além de ex-parlamentares e representantes de movimentos sociais.

A próxima reunião do Fórum deve acontecer em janeiro para a construção de um calendário de ações no Distrito Federal.


Fórum se reúne novamente em janeiro de 2024 / Foto; Jorge Monicci

Seminário

Depois da instalação do Fórum foi realizado um Seminário sobre Direito à Cidade, que debateu sobre a privatização da rodoviária com a participação de representantes de movimentos sociais e populares, entre estes Movimento Passe Livre, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Instituto No Setor, DCE UNB, Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), CUT-DF, Distrito Drag, CTB-DF, Bloco Rivotril, Rodas da Paz, Central dos Movimentos Populares, entre outros.

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Márcia Silva