Coluna

De Maceió a Essequibo e além

Imagem de perfil do Colunistaesd
Entre a pauta ambiental e o petróleo, Lula opta pelo pragmatismo - Ricardo Stuckert
O crescimento de tensões e divisões não é exclusividade do cenário internacional

Olá, a pauta ambiental do Brasil afunda no pragmatismo, a briga toma conta da vizinhança e o centrão devora as boas intenções do governo.

Continua após publicidade

.Ele só queria paz. O crescimento de tensões e divisões não é exclusividade do cenário internacional. Talvez seja necessário admitir que a vitória de Lula foi "de raspão" e que o fascismo continua bem vivo no Brasil e no mundo. Afinal, a polarização política se calcificou no país, afirmam Thomas Traumann e Felipe Nunes, e nem a condenação dos envolvidos nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro, nem a reativação da economia ou a retomada das políticas sociais foram capazes de dissolvê-la. Até o líder do governo na Câmara admite que o que está faltando é elevar o tom da disputa política e ideológica. Porém, o problema é que as amarras no Congresso são tão fortes que cada pequena medida do governo demanda um esforço hercúleo, além de uma montanha de recursos para o centrão. A exemplo dos vetos de Lula que aguardam para serem analisados pela Câmara e que foram mais uma vez adiados por não haver acordo. Ao mesmo tempo, o centrão flerta o tempo todo com os inimigos do governo. A última peripécia de Arthur Lira foi colocar em pauta um projeto de decreto legislativo que pretendia retomar a liberalização das armas aprovada por Bolsonaro e que foi revogada por Lula logo no início de seu mandato. Esta seria uma evidente derrota para Flávio Dino às vésperas da sabatina no Senado sobre sua indicação ao STF. O governo conseguiu impedir a manobra, mas com placar apertado. O poder do centrão é tão grande, que nem o afundamento da cidade natal (Maceió) de seu comandante em chefe (Arthur Lira) conseguiu enfraquecê-lo. Nesse caso, a disputa entre os caciques locais em torno da abertura da CPI da Braskem poderia ser uma ótima oportunidade para o governo dar um chega-pra-lá em Arthur Lira e no poder das transnacionais. Mas o ano está acabando e o renovado espírito natalino entre Renan Calheiros e Arthur Lira pode deixar tudo como está.

.Ponto Final: nossas recomendações.

Edição: Nicolau Soares