Solidariedade

Estrutura de escolas públicas do Rio de Janeiro podem ser usada em ações de combate à fome

Projeto de lei prevê que as escolas do RJ poderão ser utilizadas aos finais de semana por entidades sem fins lucrativos

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
A cessão do espaço ocorrerá mediante consulta formal à Secretaria de Estado de Educação, que deverá supervisionar a ação - Foto: Maira Argolo

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, em primeira discussão, na última terça-feira (12), o Projeto de Lei 192/23, do deputado Yuri (Psol), que autoriza o uso das estruturas das escolas públicas estaduais para o combate à insegurança alimentar e nutricional. A medida precisará passar por uma segunda votação em plenário.

Continua após publicidade

O projeto prevê que as escolas poderão ser utilizadas aos finais de semana (e de forma compartilhada em dias letivos) por entidades sem fins lucrativos que comprovem atuação no combate à fome e também com as associações de moradores. Elas deverão prezar pela limpeza e conservação dos espaços e responderão por danos que forem constatados.

Continua após publicidade

“Alguns espaços das escolas públicas estaduais, como a cozinha e o refeitório, não são utilizados em sua plenitude e poderiam ajudar no combate à fome e à insegurança alimentar e nutricional das comunidades em que estão inseridos. Esse projeto foi apresentado após estudos aprofundados de viabilidade e consulta às equipes gestoras e ao corpo pedagógico das unidades escolares”, comentou Yuri na justificativa do texto.

Continua após publicidade

:: Congresso Brasileiro de Agroecologia: Cozinha Solidária no RJ recebe R$ 140 mil para reforma, equipamentos e produção ::

Continua após publicidade

A cessão do espaço ocorrerá mediante consulta formal à Secretaria de Estado de Educação, que deverá supervisionar a ação. A secretaria poderá interromper a autorização do uso do espaço a qualquer momento, quando houver desvio de finalidade. O uso dos espaços da escola não poderá acarretar em prejuízos para os alunos e as atividades regulares. Sempre que possível, a direção de cada escola deverá incentivar e criar meios de participação dos alunos e da comunidade escolar em geral nessas atividades.

O texto ainda autoriza o Governo do Estado a destinar alimentos excedentes da merenda escolar aos projetos de combate à insegurança alimentar e nutricional, desde que, sob hipótese alguma, comprometa a alimentação dos estudantes.

*Com informações do portal da Alerj.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse