Coluna

A China cresceu mais do que qualquer outra economia desenvolvida em 2023

Imagem de perfil do Colunistaesd
Além de sua força econômica, a China se coloca como mediadora e apoiadora no sul global - Philip FONG / AFP - 23/9/2023
A China ultrapassou sua meta de crescimento de 5% até 2023

Caros leitores,

Continua após publicidade

Este é o quinto ano consecutivo do China News. Em um esforço para ampliar os objetivos do Dongsheng, mas sem deixar de trazer esse importante boletim, estamos introduzindo um novo formato. O Notícias da China não será mais enviado semanalmente, mas mensalmente. Por sua vez, o boletim será estruturado de acordo com os tópicos mais importantes do mês anterior. Além do Notícias da China, compartilharemos mais conteúdos, como artigos, reportagens e colunas sobre a China e os acontecimentos no Sul Global.

Esperamos que você goste dessa nova versão do Notícias da China. Diga o que você achou e o que poderíamos melhorar ou acrescentar a esse formato.

Também gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para desejar a você um feliz Ano Novo Chinês. Esperamos que você tenha um ótimo ano do dragão e continue nos acompanhando!

– Coletivo Editorial Dongsheng

Resumo

Se você estiver com pouco tempo, aqui está o que você precisa saber:

  • A China fortalece seu papel como mediadora da paz internacional ao intervir em vários conflitos internacionais

  • A China apóia a adesão total da Palestina à ONU

  • A PetroChina agora controla o maior campo de petróleo do Iraque

  • O governo separatista de Taiwan venceu as eleições, mas a ilha tem cada vez menos reconhecimento internacional

 A China ultrapassou sua meta de crescimento de 5% até 2023

De acordo com estimativas preliminares, o PIB aumentou 5,2% em relação ao ano anterior. Enquanto isso, a economia dos EUA cresceu apenas 2,5%, a da França 0,9% e a da Alemanha caiu 0,3%. A produção total de grãos em 2023 foi de 695,41 milhões de toneladas, um aumento de 8,88 milhões de toneladas em relação ao ano anterior. A população diminuiu em mais de 2 milhões de pessoas em comparação com 2022. A taxa de urbanização foi de 66,16%, 0,94 pontos percentuais a mais do que no final do ano anterior.


Dados da economia chinesa mostram crescimento contínuo acima de outros países desenvolvidos / Dongsheng

Taiwan: eleições e menos reconhecimento internacional

O Partido Democrático Progressista (PDP), no poder em Taiwan, venceu a eleição presidencial com mais de 40% dos votos. Lai Ching-te é o novo líder da ilha, mas o partido governista perdeu sua maioria legislativa. O PDP tem uma tendência mais pró-independência e laços estreitos com os Estados Unidos, enquanto a oposição favorece um relacionamento mais amigável com a China continental. Os dois partidos de oposição, o Kuomintang e o Partido Popular de Taiwan, haviam anunciado uma chapa conjunta que acabou não se concretizando devido a divergências sobre quem deveria encabeçá-la.

No entanto, o reconhecimento internacional da ilha está diminuindo. Depois que Honduras reconheceu o princípio da China Única no ano passado, Nauru também cortou relações diplomáticas com Taiwan e estabeleceu relações oficiais com a República Popular da China para aderir ao mesmo princípio. A ilha chinesa agora só é reconhecida por 12 países, embora em breve possa ser 11: o presidente eleito de Tuvalu prometeu reconhecer a RPC, embora o anúncio oficial ainda não tenha sido formalizado.

China, mediadora internacional

O primeiro mês do ano foi marcado por várias mediações da China entre diferentes países ou grupos em todo o mundo. Depois de bombardeios na fronteira que deixaram 12 pessoas mortas, o Paquistão e o Irã diminuíram as tensões graças à mediação bem-sucedida da China e da Arábia Saudita. A Arábia Saudita também mediou entre os EUA, o Iraque e o Irã sobre a escalada entre esses países. Essa mediação é, sem dúvida, uma consequência da restauração das relações entre a Arábia Saudita e o Irã, graças às negociações lideradas pela China. Por outro lado, os militares de Mianmar concordaram com um cessar-fogo imediato com uma aliança de grupos armados étnicos após alguns confrontos perto da fronteira com a China. O governo chinês afirmou que havia negociado o acordo.

Finalmente, após o Fórum de Davos, foi o próprio presidente da Ucrânia, Zelensky, que pediu à China que intermediasse um futuro processo de paz com a Rússia. Os Estados Unidos também pediram à China que mediasse o conflito no Mar Vermelho com o grupo Ansar Allah, também conhecido como Houthis do Iêmen. O Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e o Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, reuniram-se na Tailândia para fazer progressos nessa questão. 

Diplomacia no início do ano

Desde a nova eclosão do conflito israelense-palestino, a China tem defendido uma solução de dois Estados (em consonância com os países árabes), a criação de um Estado palestino independente e um roteiro concreto para uma conferência internacional de paz. Agora, ela deu um novo passo ao pedir a adesão total da Palestina à ONU. Caso haja uma votação sobre essa proposta, os EUA não terão o poder de veto como em outras iniciativas da ONU.


Wang Yi com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, por ocasião do 50º aniversário das relações bilaterais entre os dois países / Ministério das Relações Exteriores da China

Em janeiro, o Ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, visitou seis países em dois continentes em apenas sete dias: Brasil, Togo, Jamaica, Egito, Tunísia e Costa do Marfim. Essa intensa viagem marca uma agenda diplomática chinesa voltada para os países do Sul Global, com foco especial na África. Também neste mês, o G77 realizou sua 3ª Cúpula do Sul. A China tem cooperado e participado desse bloco desde a década de 1990 e, na cúpula, o vice-primeiro-ministro chinês Liu Guozhong disse que a “ascensão coletiva” dos países do Sul é “imparável”, mas o impacto da antiga “ordem econômica e política internacional permanece”.

Ano novo, novos acordos

A empresa estatal boliviana YLB assinou um novo acordo com o consórcio chinês CATL, BRUMP e CMOC para desenvolver uma fábrica para processar carbonato de lítio. Esse é o segundo acordo que a Bolívia assina com a CATL: em janeiro do ano passado, eles concordaram em construir dois complexos industriais que devem produzir 50 mil toneladas de carbonato de lítio por ano, com um investimento inicial de R$ 4,95 bilhões e um investimento total que pode chegar a R$ 49 bilhões.

Em junho, a YLB assinou mais dois acordos no valor total de R$ 6,9 bilhões com o Citic Guoan Group da China e o Uranium One Group da Rússia para mais duas fábricas de produção de carbonato de lítio, que devem chegar a 45 mil toneladas por ano.

Apesar de ter as maiores reservas de lítio do mundo (23,6% do total mundial), a Bolívia ainda tem pouca capacidade de industrializá-lo. Entre janeiro e novembro de 2022, produziu apenas 635,5 toneladas de carbonato de lítio. No entanto, graças a esse tipo de acordo, assinado com empresas chinesas e russas, poderá chegar a quase 100 mil toneladas até 2025, possibilitando um salto de qualidade no valor agregado do lítio boliviano e formando engenheiros e técnicos no país sul-americano.

A BYD, empresa chinesa de carros elétricos, instalará sua primeira fábrica fora da Ásia na cidade de Camaçari, no Brasil. Estima-se que mais de 10 mil empregos serão criados (inicialmente, eram 5 mil) e cerca de R$ 3 bilhões serão investidos. No ano passado, a BYD, ultrapassou a Tesla em vendas em diversos países. O CEO da Tesla, Elon Musk, chegou a dizer que se barreiras comerciais não forem aplicadas à empresa chinesa, esta deverá “demolir” a concorrência . Recentemente, viralizou um vídeo de Musk de 2011, no qual ele zombava da possibilidade de a BYD se tornar uma concorrente real da Tesla algum dia.

Por fim, o maior campo de petróleo do Iraque – Qurna Ocidental 1 -, e um dos maiores do mundo, agora é controlado majoritariamente pela PetroChina. A ExxonMobil o controlava desde 2003, mas o cedeu à empresa chinesa. O Iraque é agora o terceiro maior fornecedor de petróleo da China, depois da Rússia e da Arábia Saudita, e, assim como a Rússia, vende seu petróleo em yuan.

Por dentro da cultura chinesa

Blossoms Shanghai (série de TV, 2023)

A série de 30 episódios se passa na Xangai do século XX e tenta recapturar os sentimentos de seus habitantes no período de reforma e abertura. Para isso, a série contratou atores de Xangai e implementou longos dias de filmagem, chegando a esconder a câmera para capturar as atuações de forma mais natural. Baseada no romance de Jin Yucheng e dirigida por Wong Kar-wai, a série levou três anos para ser produzida e já está se preparando para ser uma das favoritas deste ano.

A série está disponível no YouTube.

Edição: Rodrigo Gomes