'FAZ O L'

Carnaval de SP: Nunes é vaiado e Boulos ouve gritos de 'prefeito' dos foliões

Após cortar a fita que inaugurou o Carnaval paulistano, Nunes ouviu do público no Anhembi referências a Lula e Boulos

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Prefeito ouviu provocações da população após cortar a fita que inaugura o carnaval paulistano - Reprodução/Instagram/Ricardo Nunes

O prefeito de São Paulo (SP) e pré-candidato à reeleição, Ricardo Nunes (MDB), foi recepcionado com vaias durante a abertura do Carnaval, na noite desta sexta-feira (9), no sambódromo do Anhembi, zona norte da capital paulista.

Continua após publicidade

Ao lado da esposa, Regina Carnovale Nunes, o prefeito também ouviu gritos de "Boulos" e "Faz o L", em referência ao pré-candidato Guilherme Boulos (Psol), seu principal concorrente em 2024, e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

Jazigos alagam e caixões de bebês ficam boiando em cemitério privatizado pela prefeitura de SP

Nunes havia acabado de realizar o corte simbólico da fita, que marcava a abertura dos portões do sambódromo para os desfiles. A informação é da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo

Acompanhado pelo governador interino, Felício Ramuth, e conselheiros, o prefeito percorreu a passarela do samba, saindo da área de concentração das escolas até o camarote da Prefeitura, localizado no centro da avenida.

Já Guilherme Boulos, que forma chapa com a ex-prefeita Marta Suplicy (PT), foi recebido com apoio dos foliões neste sábado (10), no bloco Tarado Ni Você, no centro da cidade. "Prefeito, prefeito", ouviu da multidão, que o abraçou e tietou. 

Aliado de Bolsonaro

Nunes não quis responder jornalistas a respeito da campanha eleitoral, que pode ser afetada pela recente operação da Polícia Federal (PF) que revelou uma suposta trama golpista na cúpula do governo de Jair Bolsonaro (PL), um apoiador de Nunes na corrida eleitoral. 

Milton Leite, Ricardo Nunes e Tarcísio de Freitas: interesses pessoais definirão o futuro da Sabesp

Segundo o portal Metrópoles, Nunes se limitou a dizer: “Confio plenamente nas instituições. A eleição ainda está muito distante. O que estamos fazendo é o maior Carnaval do Brasil”.

Edição: Rodrigo Gomes