Reforma Agrária

Agricultura familiar cresce em Pernambuco

Feiras da Reforma Agrária se espalham pelo estado, mas acesso à terra segue sendo desafio

Recife

,
Feira Agroecológica de Porto de Galinhas - PE / Laudenice Oliveira

Maria Eunice Vargas vai à feira uma vez por semana. Ela precisa comprar alimentos frescos para sua família, seu marido e dois filhos. Há cerca de dois anos, ela optou por levar pra dentro da sua casa apenas aquilo que considera saudável. Por isso, compra somente alimentos orgânicos.

"Para mim, o mais importante de comprar alimentos  é saber de onde eles vêm, como foram produzidos", determina a dona de casa, enquanto faz compras na feira de orgânicos que ocorre toda quarta na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife. Maria Eunice é recifense de nascida, mora no bairro da Vázea, e trabalha como representante de vendas em uma empresa de beleza.

Maria Bocão, como é conhecida Maria Elisabete Gomes da Silva, cuida de suas hortaliças, frutas e legumes, que leva para vender em feiras como a que frequenta Maria Eunice.

"Os fregueses adoram nossos produtos, e até já me disseram: 'Dona Maria, eu chego em casa e coloco esse seu coentro na vasilha e uso durante 15 dias. Esses que compro no mercado, depois de cinco dias já estão apodrecendo'. Porque o do povo aí tem muito produto químico e o nosso não", conta com orgulho a agricultora familiar. Maria Bocão vive com seu marido no Assentamento Chico Mendes 3, no município de Pau D'alho, na zona da mata pernambucana, onde preside a Associação de Moradores.

Hoje, são 23.141 famílias assentadas pela Reforma Agrária no estado de Pernambuco. Ainda poucas, perto das outras 20 mil que vivem em acampamentos, à beira de estradas e em áreas ocupadas. Mas o suficiente para demonstrar ao estado e à sociedade a importância de se destinar terras para a agricultura familiar.

"A agricultura familiar responde à 70% dos alimentos consumidos pela população, principalmente sem uso do veneno. A Reforma Agrária torna possível a segurança alimentar e soberania do país", afirma Doriel Barros, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura, Fetape Pernambuco.

A entidade é uma das organizadoras da Feira de Agricultura Familiar no município de Águas Belas, que acontece uma vez por ano. Com cerca de 60 famílias da região, a feira busca mostrar a importância da agricultura familiar e do assentamentos para transformar vidas. "Muda a vida de quem produz, que pode viver no campo com qualidade, e de quem consome, que tem alimentos saudáveis e seguros", completa Doriel.        

Ali são comercializados tanto os alimentos plantados pelas famílias como produtos derivados, como geleias, manteiga, artesanatos e até remédios naturais. Há também a venda de animais, como caprinos e ovinos. Estas e outras feiras são realizadas no estado de Pernambuco o ano todo por entidades de organização do agricultor familiar.  

Terra pra plantar e viver

O Brasil é o segundo país que mais concentra terras no mundo, ficando atrás apenas do Paraguai. Claudeilton Luiz Oliveira, da coordenação nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), explica que a distribuição desigual de terras no país é comum desde o tempo colonial, onde algumas famílias receberam grandes extensões de terra que têm passadas de pai pra filho até hoje.  

Apesar de muitos serem posseiros, ou seja, ocupam e dão utilidade para uma terra que não é de sua propriedade, muitos pequenos agricultores acabaram por ficar sem ter propriedades de terra. E com o avanço do agronegócio acabam expulsos do campo e têm seu direito de acesso à terra retirado.

"O sentido da Reforma Agrária para o camponês é tido como algo fundamental. Não tem como pensar no campesinato sem pensar nas terras, a vida e a produção de alimentos no campo só é possível sobre a terra", reforça Claudeilton.

Segundo a Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Pernambuco, 57% dos latifúndios cadastrados no órgão são classificadas como improdutivas. Movimentos denunciam que cada uma dessas propriedades já poderiam ter sido adquiridas pelo Incra para a Reforma Agrária.

No entanto, ao longo de seus mais de 40 anos de existência, o INCRA assentou apenas 20 mil famílias sem terras em Pernambuco, chegando a fechar alguns anos sem ao menos uma desapropriação ou assentamento.

Qualidade de vida

A Reforma Agrária tem um papel importante na economia brasileira. Segundo o dirigente de brigada do MST em São Lourenço da Mata, Luciano Costa Rêgo, uma família que vive no campo trabalha as três esferas da economia: gerar renda, para a família se manter; a questão ambiental, pela produção agroecológica e a recuperação das matas ciliares; e a questão social pois as famílias ficam juntas, estruturadas.

Ele afirma que a ideia da Reforma Agrária é resgatar de volta para o campo quem nasceu e foi criado ali, mas por questões do capital acabou sendo obrigado a ir para a cidade. Esse é o caso da Maria Bocão, lá do início da matéria.

Ela nasceu e foi criada no engenho, até que seu pai faleceu e a família foi para a cidade. Alguns anos depois, já com seu marido e filhos, Maria conseguiu voltar para o campo. "Na cidade, tudo que a gente quer tem que comprar. Não tinha dinheiro, vivia tudo morrendo de fome, passando necessidade. Agora que estamos no campo nós plantamos, temos uma boa comida e vivemos de barriga cheia", comemora.

Além de sustentar sua família, Maria produz feijão verde, milho, alface, rúcula, coentro, macaxeira e muitos outros alimentos, que vende em feiras no municípios da região. "Se não fosse a Reforma agrária eu tava sem terra pra produzir, e se o campo não planta, a cidade não janta. E os fregueses acham bonito nosso trabalho, se alegram pela nossa luta", orgulha-se.