Greve Geral

Capitais na região Norte se mobilizam para o dia 30 de junho; confira a agenda

Movimentos de esquerda irão tomar as ruas nesta sexta-feira contra as reformas do governo golpista

Brasil de Fato | Belém (PA)

,

Ouça a matéria:

Manifestantes ocupam aa ruas em Santarém (PA) no dia 28 de abril (28A) / Palestina Israel

Em todas as capitais da região Norte, centrais sindicais e movimentos populares que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, além de outras frentes, prometem tomar as ruas nesta sexta-feira (30) em mais uma paralisação contra o governo golpista de Michel Temer (PMDB).

Confira a agenda completa:

Acre

Em Rio Branco (AC), a concentração começará às 8h em frente à escadaria do Palácio do Governo do Estado, no centro da cidade, segundo o presidente do sindicato dos bancários, Edmar Tonelly. A previsão é que o ato percorra o centro da cidade até o meio-dia.

Roraima

Já em Boa Vista (RR), a previsão é que haja bloqueio da Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes a partir das 6h, no trecho em frente ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Segundo Antônia Matias, secretária de administração e finanças da Central Única dos Trabalhadores (CUT), os manifestantes deverão seguir de lá até a Praça do Centro Cívico, onde estão a Assembleia Legislativa, o Tribunal de Justiça e o Palácio do Governo do Estado. A mobilização na capital conta também com o apoio da Frente Sindical, Popular e de Lutas.

Rondônia

Em Porto Velho (RO), os atos devem começar a partir das 8h na Praça das Três Caixas D’Água, que fica na Avenida Carlos Gomes.

Ramon Cujui, integrante da coordenação da Frente Brasil Popular, informa que também haverá ato contra as reformas do governo Temer em Ji-Paraná, segundo maior município do estado. Sindicatos e entidades que integram o Fórum dos Trabalhadores de Ji-Paraná farão uma passeata a partir das 15h.

A concentração será no Sindicado dos Servidores Públicos Federais do Estado de Rondônia (Sindsef), que fica na rua Idelfonso da Silva, de onde o ato seguirá até a Praça do Trevo.

Tocantins

Em Palmas (TO), a concentração pelas Diretas Já! e Fora Temer! começa às 7h30 na Avenida Juscelino Kubitschek, próximo ao colégio São Francisco, e seguirá até a rotatória do Palácio Araguaia, sede do governo do estado.

Pará

No estado, estão marcadas mobilizações nas cidades de Belém, Santarém, Altamira, Marabá e Marituba.

Na capital paraense, movimentos populares se concentrarão a partir das 11h na Praça da República e seguirão em passeata pelas ruas do centro até o Mercado de São Braz. Na pauta, as centrais também incluíram a luta contra a violência no estado, tanto no campo quanto na cidade.

Em Altamira, a concentração está marcada às 8h no mercado municipal. Em Santarém, a paralisação será puxada pelo Fórum Sindical e Popular, que congrega 27 entidades. Segundo Gracivane Moura, secretaria de políticas sociais no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR), a concentração do ato será em frente à Praça São Sebastião. De lá, os manifestantes devem seguir até a Câmara Municipal.

A manifestação acompanha a pauta nacional, mas também é um ato contra um projeto de lei, proposto pelo prefeito Nélio Aguiar (DEM), para terceirizar os serviços nos hospitais municipal e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

No sudeste do estado, em Marabá, a concentração está marcada para as 7h30 em frente ao estádio Zinho Oliveira, de onde partirão em caminhada até o bairro Cidade Nova. Segundo Heidiany Moreno, diretora no sindicato dos bancários, a mobilização está sendo puxada pelo Fórum em Defesa dos Direitos Trabalhistas e da Previdência Social.

Em Marituba, que faz parte da região metropolitana de Belém, os manifestantes se concentrarão às 7h na entrada da Alça Viária. Às 18h, haverá uma vigília contra a Revita Engenharia Ltda, que administra o depósito de lixo da cidade. Os moradores reclamam do odor que o lixão causa e querem que ele seja retirado da área onde está atualmente.

Amapá e Amazonas

Nas capitais Macapá (AP) e Manaus (AM), os movimentos de esquerda ainda farão assembleia para definir os detalhes do ato de sexta-feira.

Edição: Camila Rodrigues da Silva