Democracia

Comissariado da ONU reforça direito dos venezuelanos de votarem pela Constituinte

Liz Throssel declarou que deseja ver "respeitado" a intenção dos venezuelanos de participar, ou não, da votação

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela)

,
Liz Throssel pediu manifestações pacíficas da oposição e a garantia do direito à liberdade de expressão. / Reprodução

A porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Liz Throssel, declarou nesta sexta-feira (28) que deseja ver "respeitado" a intenção dos venezuelanos de participar, ou não, das eleições para os deputados Constituintes neste domingo (30). O voto na Venezuela, desde 1999, não é obrigatório.



O comunicado aponta preocupação com o risco do aumento da violência no país no dia do pleito e solicita as autoridades venezuelanas a administrar os possíveis protestos contra a Constituinte em alinhamento com as normas internacionais de direitos humanos.



"Também invocamos os que se opõem às eleições e à Assembleia para protestar de forma pacífica", disse o comunicado.



A porta-voz também demonstra esperança de que o pleito deva "acontecer de forma pacífica e em pleno respeito aos direitos humanos", diz. 



"Renovamos nossos apelos às autoridades para garantir os direitos das pessoas à liberdade de expressão, associação e reunião pacífica e convidamos a todos na Venezuela a usar apenas meios pacíficos para se fazer ouvir", conclui. Acompanhe o especial realizado pelo Brasil de Fato "Povo às urnas: Constituinte Popular na Venezuela".


Edição: Luiz Felipe Albuquerque