Paraná

Evento em Londrina debate feminismo, direito, mídia e redes sociais

A atividade ocorre nesta quinta-feira (17), às 19, na Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Brasil de Fato | Londrina (PR)

,
Grupo feminista identificou que mulheres estavam sofrendo ações judiciais por críticas e textos postados em redes sociais / Emerson Dias

Com foco na militância feminina, acontece na noite desta quinta-feira (17), em Londrina (PR), o debate Direito e Militância Política - entendendo e prevenindo a criminalização nas redes sociais. O evento, organizado pelo Núcleo Feminista do Coletivo Mobiliza Londrina, é gratuito, terá a emissão de certificado de participação e será realizado na sala de eventos do Centro de Ciências Humanas da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

A integrante do Núcleo Feminista do Mobiliza Londrina, Ester Falaschi explica que desde que o grupo surgiu, em junho deste ano, foi identificado que algumas mulheres estavam sofrendo ações judiciais e o motivo dos processos era comum: críticas e textos postados em redes sociais. “Ao analisar esses fatos, entendemos que se trata de uma estratégia de repressão, pois os opressores atacam judicialmente as pessoas físicas que são integrantes de movimentos sociais ou coletivos locais”, analisa a militante.

O debate terá como foco a orientação sobre mídia e direito para proteger as pessoas. “Como o assunto é amplo e não atinge somente as feministas, mas a militância como um todo, decidimos fazer um evento para toda a comunidade interessada”, finaliza Falaschi.

Estão confirmadas como palestrantes para o debate Isabella Alonso Panho, advogada; Tatiane Monteiro, assistente social, mestrado em Serviço Social e Política Social pela UEL e integrante do Coletivo Mobiliza Londrina e Frente Esquerda Socialista de Londrina; Thalles Takada, advogado e mestre em Direito e presidente da Associação Brasileira de Tecnologia e Direito.

A atividade será às 19h, na CCH - Sala de Eventos, ao lado do anfiteatro, com emissão de certificado e entrada franca. A ação tem apoio da Associação Londrinense Interdisciplinar de Aids (ALIA) e do Conselho Regional de Serviço Social / Seccional Londrina (CRESS).

Edição: Ednubia Ghisi