Dia da África

Dia da África: 8 filmes que trazem histórias do continente

Pantera Negra, Rainha de Katwe, Hotel Ruanda. Selecionamos 8 filmes ambientados no continente africano

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Mulheres no filme Pantera Negra, da Marvel / Reprodução: Marvel

Há exatamente 55 anos, em 25 de maio de 1963, 32 chefes de estado africanos realizaram um encontro em Addis Abeba, Etiópia, para pensar como, juntos, poderiam realmente emancipar o continente africano, ou seja, tirá-lo das mãos do domínio europeu.

O dia foi um marco para o continente, já que os líderes presentes criaram a Organização de Unidade Africana (OUA) a partir de uma carta conjunta que marcou a fundação da organização continental. Em 1972, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu a importância do encontro, instituindo a data como o Dia da África.

Para além do reconhecimento institucional, a data simboliza a memória coletiva dos povos africanos e o esforço conjunto dos povos africanos no processo de desenvolvimento econômico e social do continente. Para reforçar a importância do continente africano para todo o mundo, o Brasil de Fato selecionou 10 filmes de variados gêneros que falam sobre a história do continente. Confira:

1. Pantera Negra (Ryan Coogler | EUA, 2018) 









Lançado em fevereiro de 2018, o filme Pantera Negra, da Marvel, permite uma série de reflexões sobre o continente africano. Baseado nas histórias em quadrinhos da Marvel, boa parte da trama se passa em uma nação fictícia do continente africano chamada Wakanda. Mesmo assim, o filme traz uma série de elementos relacionados à cultura, às potencialidades e à história que podem dar algumas dimensões sobre do continente africano.  





2. Rainha de Katwe (Mira Nair | EUA, 2016) 









Em Uganda, a jovem Phiona Mutesi não mede esforços para ser reconhecida como uma grande jogadora de xadrez em todo o mundo. De origem pobre e orfã de pai, a menina é obrigada a largar os estudos por falta de dinheiro. Ela, no entanto, não desiste de perseguir seus sonhos e enfrenta uma série de desafios para chegar onde almeja.



3. Invictus (Clint Eastwood | EUA, 2009) 









O filme traz alguns episódios da trajetória de Nelson Mandela à frente da presidência da África do Sul, quando o país ainda vivia um apartheid racial, dividido também economicamente. O filme mostra como a primeira copa de rúgbi realizada no país ajudou a unir a população. 



4. Hotel Ruanda (Terry George| África do Sul, Reino Unido, Itália, 2004) 









Em 1994, um conflito político em Ruanda matou, em menos de 100 dias, quase um milhão de ruandeses. Diante da infinidade de pessoas desamparadas no país, Paul Rusesabagina, gerente do Hotel des Milles Collines, na capital do país, decide receber 1.200 desabrigados pelo conflito. 

5. África sobre o Sena (Terry George| África do Sul, Reino Unido, Itália, 2004) 

Documentário de Mamadou Sarr e Paulin Vieyra, lançado em 1957, mostra a rotina de estudantes africanos que tentam construir uma vida na capital francesa. Levantando questões complexas sobre uma geração de artistas e estudantes à procura de sua civilização, sua cultura e seu futuro.

 

6. Beast of No Nation (Cary Fukunaga | EUA, 2015)









Baseado no romance homónimo do autor nigeriano, Uzodinma Iweala, o filme conta a história de um garoto africano separado da família durante a guerra civil, que é obrigado a lutar ao lado de mercenários e se tornar um menino-soldado de guerrilha. O drama é uma produção estadunidense de 2015 e foi selecionado para ser exibido na sessão Apresentações Especiais da quadragésima edição do Festival Internacional de Cinema de Toronto.

7. Lumumba (Raoul Peck| Belgica, 2000)  









O filme conta a história da ascensão ao poder e do brutal assassinato do líder da independência da República Democrática do Congo, Patrice Lumumba. O filme é uma produção Belga, foi lançado em 2000 e é dirigido por Raoul Peck.

8. Kiriku e a Feiticeira (Michel Ocelot.| França, 1998)  









A animação francesa de 1998, ambientada na África Ocidental, conta a história de Kiriku, um menino minúsculo, cujo tamanho não alcança nem o joelho de um adulto, e que tem como desafio enfrentar a poderosa feiticeira Karabá, que secou a fonte d’água de sua aldeia. Kiriku enfrenta perigos e passa por muitas aventuras, provando que o seu tamanho, não só não é um problema, como é a sua melhor arma para enfrentar a feiticeira.

Edição: Diego Sartorato