CRISE ARGENTINA

Macri pede liberação de US$ 3 bilhões ao Fundo Monetário Internacional

Novo montante solicitado para o começo do mês de setembro faz parte do empréstimo de US$ 50 bilhões

Metas fiscais são grande desafio do governo Macri no segundo semestre / Marcos Corrêa/PR via Flickr/Creative Commons

O governo argentino do presidente Mauricio Macri solicitou nesta terça-feira (28/08) a liberação de US$ 3 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), dando continuidade ao acordo de empréstimo. A informação foi dada pelo ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne. 

Pelo acordo, que deve durar quatro anos e vai até junho de 2020, será liberado um total de US$ 50 bilhões. Há dois meses, o FMI repassou a primeira remessa, no valor de US$ 15 bilhões. O ministro da Fazenda confirmou também que houve um pedido do governo ao FMI para mudar o aspecto referente à dívida do Tesouro Nacional e do Banco Central da Argentina.

Dujovne também mencionou a queda de 1% que a economia do país deve sofrer em 2018, somada também à seca no setor agrário, mas estimou um crescimento de 1,5% no próximo ano. Em junho, a economia argentina registrou queda de 6,7% de acordo com o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec). 

O Ministro também confirmou a proposta da equipe econômica feita ao FMI, que consiste em retirar do acordo um cronograma para a recompra de títulos do Tesouro do Banco Central. 

Acordo e novas tarifas  

O pacto com o FMI, feito em junho, prevê um empréstimo de US$ 50 bilhões ao longo de três anos. Em troca, o governo Macri se compromete a reduzir o déficit fiscal primário a 2,7% do PIB de 2018 e a 1,3% do valor do produto de 2019. 

Outra meta do governo em contrapartida ao repasse é manter a inflação acumulada do ano abaixo de 32%. O ministro disse que a obrigação fiscal é a principal. Representantes do Fundo estiveram em Buenos Aires na última semana para garantir o cumprimento das medidas acordadas. 

Por conta do aumento de tarifas, centrais sindicais temem novas manifestações. Somente desde o começo do mês, a tarifa de luz foi reajustada em 24,4%, enquanto passagens de ônibus subiram cerca de 6%.

*Com Agência Brasil 

Edição: Opera Mundi