América do Norte

EUA, México e Canadá fecham acordo econômico que substitui o Nafta

Ao longo dos últimos doze meses, diálogos por novo pacto foram marcados por tensões

O presidente estadunidense, Donald Trump, anuncia o novo acordo em pronunciamento no jardim da Casa Branca, nesta segunda-feira (1)
O presidente estadunidense, Donald Trump, anuncia o novo acordo em pronunciamento no jardim da Casa Branca, nesta segunda-feira (1) - Foto: White House Twitter

Os Estados Unidos, o Canadá e o México anunciaram nesse domingo (30) um novo acordo acordo econômico que substitui o Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio (Nafta). A participação canadense foi confirmada na data limite estabelecida. 

O novo pacto se chamará Estados Unidos-México-Canadá ou USMCA, sigla em inglês que une as inicias das três nações. Anualmente, as trocas entre os países norte-americanos totalizam 1 trilhão de dólares. 

O representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e a ministra canadense das Relações Exteriores, Chrystia Freeland, falaram em nota conjunta que o “novo e modernizado” acordo terá “mercados mais livres” como resultado. 

"Hoje, Canadá e EUA fecharam junto com México um novo e modernizado acordo comercial para o século 21. O USMCA dará aos trabalhadores, fazendeiros e comerciantes um acordo comercial de alta qualidade que resultará em mercados mais livres, comércio mais seguro e crescimento econômico mais robusto em nossa região”, diz o texto. 

O pronunciamento dos representantes dos dois países aconteceu no prazo limite estabelecido pelos Estados Unidos, que pediu o ultimato canadense até o domingo, quando justamente houve resposta por parte de Ottawa. Segundo Light, desacordos entre os países motivaram o atraso nas resoluções. 

A entrada do Canadá no novo pacto trilateral ocorre pouco mais de um mês após México e Estados Unidos iniciarem as negociações. No dia 27 de agosto, os dois países acordaram entrar em fase de renegociação, em sintonia a uma das promessas da campanha do presidente Donald Trump, que sempre dirigiu críticas ao Nafta. 

Após o ingresso canadense na data limite, o mandatário republicano disse que a definição é “um grande negócio” para os envolvidos. No início de setembro, Trump chegou a ameaçar tirar o Canadá da aliança. 

“Na noite passada, nosso prazo, chegamos a um maravilhoso pacto com o Canadá, para ser adicionado ao acordo já alcançado com o México."

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, restringiu-se a saudar a negociação e afirmou se tratar de "um bom dia para o Canadá". 

O que muda com o USMCA 

Após mais de um ano com um histórico de incertezas e promessas de recuo por parte de Trump, o pacto comercial redesenhado estabelece, de forma inédita, regras para serviços financeiros e negociações digitais – ferramentas que surgiram após o Nafta, criado em 1994. 

No entanto, até o momento, o acordo não evita que os Estados Unidos apliquem tarifas contras as importações de aço e alumínio (de 25% e 10%, respectivamente), inclusive aos mercados vizinhos que compõem o novo tratado. 

A expectativa canadense é de que a alta tarifária para esses casos seja discutida à margem do novo acordo, sobretudo após Trump garantir que os EUA não irão impor taxas nas importações de veículos e autopeças. 

Edição: Opera Mundi