VIOLÊNCIA

Estudante é atacada por eleitor de Bolsonaro no Rio de Janeiro

Jovem sofreu agressões físicas e verbais enquanto voltava para casa

Rio de Janeiro | RJ

,
Mulheres que protestam contra candidato da extrema-direita vêm sendo agredidas com frequência / Pablo Vergara

Na madrugada desta sexta-feira (12), foi registrado mais um caso de agressão motivado por eleitores de Bolsonaro, desta vez, no Rio de Janeiro. Uma estudante da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) foi atacada com socos no bairro de Botafogo, na zona sul da cidade.

De acordo com o relato da jovem em sua página do Facebook, um homem se aproximou quando ela chegava em casa e começou o ataque verbal, antes da agressão física.

“Ele começou a gritar que eu era sapatão, feminista de merda e vagabunda. Que eu não era mulher de respeito por estar na rua de madrugada e que Bolsonaro vai acabar com isso”, escreveu. 

Em seguida, a estudante conseguiu fugir e chegar até sua casa. “Parem de nos agredir, parem de tentar nos matar”, desabafou a jovem na rede social. A estudante é lésbica e a comunidade LGBT também se tornou alvo de agressões de eleitores do candidato da extrema-direita.

Esse é mais um dos casos de agressão e violência que estão sendo registrados nos últimos dias. O mestre de capoeira e ativista cultural Moa do Katendê, de 63 anos, foi assassinado com 12 facadas na madrugada da segunda-feira (8), em um bar de Salvador, depois de dizer que votou no candidato petista Fernando Haddad. 

Agressões motivadas por um ambiente de ódio na política já haviam aparecido na campanha ao longo do primeiro turno. O próprio candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi vítima de uma facada no dia 6 de setembro durante um ato de campanha. O candidato passou para o segundo turno com quase 50 milhões de votos adotando um discurso de violência que parece influenciar os atos de uma parcela mais radical de seus eleitores. 

Na noite da última terça-feira (9), um estudante recém-formado foi agredido na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, por usar um boné do MST. A vítima, que estava reunida com amigos em uma praça do campus, foi espancada por membros de uma torcida organizada local sob gritos de “Aqui é Bolsonaro”, segundo testemunhas. 

 Os agressores também teriam depredado a Casa do Estudante da universidade, cujas janelas foram quebradas. A polícia foi acionada, mas os homens fugiram do local. A vítima foi atendida por uma ambulância e passa bem. 

Ainda não há estatísticas sobre o número de ocorrências, que já chamam a atenção de organizações. Nas redes sociais, há inúmeros relatos de agressões verbais e físicas sofridas por pessoas que se manifestam a favor de Haddad ou de forma contrária à Bolsonaro, por meio de camisetas e adesivos. Nas redes sociais, Bolsonaro disse não ser responsável pelos ataques.

Edição: Eduardo Miranda