Justiça

Alexandre Frota é condenado a picotar papel por disseminar mentira sobre Jean Wyllys

Deputado eleito pelo PSL deve ainda desembolsar R$ 295 mil por difamação e injúria

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Mulheres fazem ato em frente ao Tribunal de Justiça em SP no julgamento da ação que Alexandre Frota moveu contra Eleonora Menecucci / Roberto Parizotti/ CUT

Dois anos e 26 dias de prisão em regime aberto e uma multa de mais de R$ 295 mil por difamação e injúria. Essa foi a sentença dada pela Justiça Federal em Osasco ao ex-ator, ex-ator pornô e deputado federal eleito Alexandre Frota (PSL) por ter feito um post, no ano passado, atribuindo ao deputado federal Jean Wyllys (PSOL) uma frase de defesa da pedofilia.

A prisão foi convertida em prestação de serviços. Frota deverá ficar cinco horas diárias picotando papel inutilizado no fórum federal mais perto de sua casa, por todos os fins de semana durante os dois anos da sentença.

De acordo com a Justiça, em 2017 o deputado eleito pelo PSL postou em sua página oficial na internet uma foto de Wyllys, autor do processo, atribuindo-lhe a frase: “A pedofilia é uma prática normal em diversas espécies de animal (sic), anormal é o seu preconceito”.

Para a juíza federal Adriana Freisleben de Zanetti, da 2ª Vara Federal de Osasco, autora da sentença, o processo comprovou que Wyllys nunca disse aquela frase.

“A frase foi criada com a finalidade de difamar Jean Wyllys, causando na comunidade cibernética o sentimento de repúdio por empatia emocional com as vítimas de pedofilia”, escreveu a magistrada na sentença.

Na sentença, a juíza ainda considerou que Frota “ao exercer seu direito à livre manifestação do pensamento, claramente excedeu os limites constitucionais, porquanto atentou diretamente contra a honra e imagem do deputado federal Jean Wyllys”.



Jean Wyllys comentou a sentença, em sua conta de Twitter: "A partir de agora, a toda essa gente ruim, com ódio no coração, que gosta de divulgar mentiras, fake news e calúnias a meu respeito, eu digo: pensem duas vezes!".

Histórico

As passagens de Frota pela Justiça vêm se tornando frequentes. Em fevereiro deste ano, a 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal aumentou para R$ 20 mil a indenização por danos morais que Frota foi condenado pagar a Jean Wyllys em outro processo. A Justiça considerou que Frota incitou a violência e propagou discurso de ódio, de difamação e de injúria contra o psolista. 

Em outubro de 2017, o deputado eleito também foi derrotado na Justiça. A ex-ministra de Políticas para Mulheres foi absolvida em segunda instância da acusação a título de danos morais, por ter afirmado que Alexandre Frota fez apologia ao estupro durante um programa de televisão

Em outubro deste ano, veio à tona uma dívida que Frota possui com seu filho. Segundo a Justiça, ele deve cerca de R$ 60 mil por pensões não pagas

Violência

Durante a cerimônia de diplomação de eleitos em São Paulo, realizada nesta terça-feira (18), Alexandre Frota protagonizou outro caso de violência. O ato foi suspenso por cerca de 15 minutos, após seguranças e alguns deputados (entre eles Frota), agredirem física e verbalmente com palavras racistas um dos co-deputados eleitos, Jesus dos Santos, do mandato coletivo do PSOL. 

Edição: Brasil de Fato