Cidadania

Programação do aniversário de São Paulo está enxuta e mais distante da periferia

Com agenda cultural reduzida em relação a anos anteriores, Prefeitura promove poucos shows fora da região central

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Comemoração dos 462 anos de São Paulo, em 2016 / Leon Rodrigues/ Secom

A cidade de São Paulo completa 465 anos nesta sexta-feira (25), e deve receber cerca de 23 shows, atrações artísticas, festas e intervenções. Os shows principais acontecem no palco do Vale do Anhangabaú, que terá artistas como Paulinho da Viola, com a presença de Beatriz Rabello, Fabiana Cozza e Rodrigo Campos, Rael, convidando Rashid e Pabllo Vittar, Charlie Brown Jr. e Ludmilla. O evento também leva Dead Fish ao Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso, Sampa Crew ao Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes e The Monkeys à Casa de Cultura do Butantã. O palco principal deve contar ainda com uma área reservada a pessoas com deficiência, e toda a programação será traduzida em libras.

A programação deste ano sofreu uma redução em comparação com anos anteriores. Em 2016, por exemplo, último ano da gestão Fernando Haddad (PT), foram 44 shows, quase o dobro das atrações deste ano. Além disso, as atrações deste ano estão mais concentradas no centro que em anos anteriores, com atividades em apenas nove espaços fora da região central, sendo quatro qualificadas como "Viradinha" – atividade não especificada no site da prefeitura.

Para Thais Siqueira, jornalista e gestora de projetos culturais no coletivo DoLadoDeCá, a cultura como um direito deve estar disponível para todos que não podem “atravessar a ponte” [em referência às pontes que conectam o centro às periferias] para assistir shows, peças de teatro e entretenimento em geral. “A luta pela descentralização das atividades culturais vem dos coletivos de cultura das periferias. O poder público está longe de olhar de fato para isso”, afirmou Thais. A ausência de ações destinadas às regiões mais afastadas do centro propicia o surgimento de bibliotecas comunitárias, formações para jovens e novos coletivos de cultura e comunicação, que tomam a função de levar atividades para a periferia.

As verbas para a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo vêm diminuindo consideravelmente nos últimos anos. Em 2016, foi aprovado o orçamento de quase R$ 519 milhões destinados à secretaria para o ano seguinte, já para 2019, a verba é de R$ 412 milhões. A distribuição correta de verbas é essencial para a democratização do acesso à cultura, segundo Thais. Para ela, só foi possível que a verba chegasse às periferias através da Lei de Fomento à Cultura da Periferia, decretada por Fernando Haddad (PT) em 2016.

“Não se justifica que a maior cidade do país tenha tanto desprezo pela atividade cultural e pelo acesso da população a elas” afirma Juca Ferreira, presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte (MG) e ex-secretário de Cultura da gestão de Haddad em São Paulo. De acordo com ele, o poder público tem a responsabilidade de criar o melhor ambiente possível para o desenvolvimento das artes e da cultura em geral, além de garantir a acessibilidade e de financiamento das atividades. “Os governos neoliberais trabalham apenas com produção e circulação de mercadoria. Não cabe no conceito deles o esforço de o Estado ter responsabilidade com o desenvolvimento cultural  do país”, critica Juca.

“A atual gestão tem utilizado de mecanismos que reforçam a cultura como privilégio. Não basta levar eventos para os equipamentos públicos na periferia sem estar com os artistas locais e sem reconhecer que nesses territórios existem atuação desses artistas.” afirma a jornalista. Nesta edição do Aniversário de São Paulo, o palco principal conta com a presença de 13 artistas, sendo cinco deles oriundos de outras regiões do país.

Confira a programação completa:

Vale do Anhangabaú:

Palco Principal

Thiago Adorno (Mestre de Cerimônias)

12h: RC na Veia convida Wanderléa

14h: Ao Cubo convida Art Popular

16h: Paulinho da Viola convida Beatriz Rabello, Fabiana Cozza e Rodrigo Campos

18h30: Tamo Aí na Atividade apresenta Charlie Brown Jr

20h30: Rael convida Rashid e Pablo Vitar

23h: Ludmilla

Palcos Adjacentes:

Palco Músicos do Futuro

Rua XV de novembro

12h: Som ambiente

12h30: Érika Morise

13h30: DJ Leandro Pardí

14h30: Caiana

15h30: DJ Leandro Pardí

16h30: Alma Djem

17h30: DJ Leandro Pardí

18h: Inovasamba

19h: Som ambiente

20h30: DJ Leandro Pardí

21h30: Som ambiente

Palcos de Festas

A partir do meio-dia

Festa 1: Discopédia, Batekoo e KL Jay (Praça das Artes)

Festa 2: Gop Tun, Millos & Trepanado, ODD e Mamba Negra (Líbero Badaró)

Festa 3: Pilantragi, Primavera te amo,  Desculpa qualquer coisa, Santo Forte e Prato do Dia. (Vale do Anhagabaú, próximo ao prédio dos Correios)

Intervenções no Vale do Anhangabaú

A partir do meio-dia

Blokokê

Balões

Gambiarras

Brinquedos infláveis

Just Dance

Pacman Dance

Twister da cidade

Atrações descentralizadas

Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso

18h às 19h: Dead Fish convida Deb Babilônia

Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes

16h às 17h: O Circo vem Daí

18h às 19h: Sampa Crew

Teatro Flávio Império

16h às 17h: Farufyno e Fabio Brazza

20h às 21h: Mega Flash

Casa de Cultura do Butantã

15h às 17h: Clube do Balanço convida Janayna Pereira

Centro Cultural do Grajaú

16h às 17h: The Monkeys convida Sombra SNJ

18h às 19h: Xande de Pilares convida Reinaldo

Casa de Cultura Campo Limpo

14h às 18h: Viradinha

Casa de Cultura Raul Seixas

14h às 18h: Viradinha

Casa de Cultura da Brasilândia

10h às 16h: Viradinha

Centro Cultural Tendal da Lapa

10h às 17h: Viradinha

Biblioteca Mário de Andrade

11h às 13h

Prêmio Cidadão SP Catraca Livre. Neste ano os homenageados são: agência Africa (Publicidade), o pianista Marcelo Bratke (Educação), Marcelo Rosenbaum (Design), com o projeto A Gente Transforma, Orquestra Moderna (Saúde), Quebrando o Tabu (Comunicação), Tabata Amaral (Cidadania), Tupi or Not Tupi (Cultura). 50 lugares. As senhas serão distribuídas uma hora antes (um ingresso por pessoa).

15h às 20h

70 anos do Teatro Brasileiro de Comédia

15h – Leitura de Volpone, de Ben Jonson, em adaptação de Stefan Zweig

18h – Leitura de “A Semente” de Gianfranceso Guarnieri

Auditório. 14 anos. Capacidade: 175 lugares. Grátis (senhas distribuídas uma hora antes de cada espetáculo)

22h

Encontro com o Supla

O cantor irá falar da sua longa trajetória através da leitura de alguns trechos do seu livro "Supla: crônicas e fotos do Charada Brasileiro".

Auditório. 14 anos. Capacidade: 175 lugares. Grátis (senhas distribuídas uma hora antes).

Edição: Mauro Ramos