Vale

Número de mortes em Brumadinho sobe para 40 e supera crime ambiental de Mariana

Lama atingiu o rio Paraopeba, pode afetar 19 municípios e comprometer o acesso a água a cerca de 1 milhão de pessoas

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Moradores esperam por informações sobre seus parentes no Centro de Comando da Crise em Brumadinho (MG) / MAURO PIMENTEL / AFP

Atualizada às 21:00

O novo crime socioambiental da mineradora Vale que ocorreu nesta sexta-feira (25), gerou impactos ambientais e na vida das comunidades ainda incalculáveis no município de Brumadinho (MG). Segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, que trabalha nas buscas e resgate na área, o número de mortos chegou a 40 na noite deste sábado (26). A lama chegou até o rio Paraopeba e ainda pode atingir 19 municípios, comprometendo o abastecimento de água de cerca de 1 milhão de pessoas. 

O número de mortes já supera o do crime socioambiental de Mariana, que tirou a vida de 19 pessoas e atingiu 39 municípios de Minas Gerais e Espírito Santo, afetando aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Ao meio-dia de sábado, os Bombeiros e a Defesa Civil de Minas Gerais, afirmaram que 345 pessoas ainda estão desaparecidas. Mas segundo os moradores, a quantidade de pessoas desaparecidas pode ser maior. Ainda segundo as informações oficiais, 23 pessoas foram hospitalizadas e 81 estão desabrigadas.

Os bombeiros trabalham na busca por sobreviventes em um ônibus e uma locomotiva já localizados, um prédio próximo ao restaurante da Vale e na comunidade Parque das Cachoeiras. 

Bloqueios e multas

O Tribunal de Justiça do estado determinou nesta sexta-feira (25) o bloqueio de R$ 1 bilhão das contas da Vale, após pedido da Advocacia-Geral de Minas Gerais. Com a decisão, o estado pode utilizar a verba bloqueada em ações de reparação emergencial. Os recursos serão disponibilizados em uma conta judicial.

A decisão determina ainda que a Vale apresente em até 48 horas um relatório de amparo às vítimas, mapeie áreas de risco, comece a retirada da lama, adote medidas para não contaminar nascentes, elabore um plano de controle de pragas, entre outros.

Já neste sábado (26), a Justiça de Minas Gerais acatou pedido do Ministério Público do estado e determinou o bloqueio de R$ 5 bilhões da Vale. O valor seria utilizado para garantir a adoção de medidas emergenciais e a reparação de danos ambientais decorrentes do rompimento da barragem da empresa em Brumadinho.

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) também multou neste sábado a mineradora em R$ 250 milhões.

Edição: Brasil de Fato