Vale

Sete dias após o crime, mortos chegam a 110 e atingidos protestam contra mineradoras

Bloqueio de estradas e manifestações ocorreram lado a lado com homenagens aos mortos e desaparecidos

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

"Ato de Luta Contra o Massacre da Vale em Brumadinho" reuniu 300 pessoas em Belo Horizonte / Maria Júlia/Brasil de Fato

Luto e indignação. Os dois sentimentos conviveram, lado a lado, no sétimo dia do rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho (MG). Nesta quinta-feira, o número de vítimas fatais saltou de 99 para 110. Em Brumadinho, Córrego do Feijão (MG) e Parque das Cachoeiras (MG), famílias realizam celebrações em homenagem aos mortos e desaparecidos. Movimentos populares, ligados à causa dos atingidos, fizeram protestos em vários municípios do estado.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) se reuniu com Procuradoria Geral da República (PGR) no início da tarde e exigiu garantias para que a impunidade verificada no crime da Samarco, em novembro de 2015, não se repita no caso de Brumadinho. Após a reunião, procuradora Raquel Dodge e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli criaram um observatório para monitorar grandes tragédias. A Secretaria de Estado de Impacto Social antecipou o pagamento do Bolsa Família para os moradores de Brumadinho.

:: Minuto a Minuto: As repercussões do rompimento da barragem em Brumadinho (MG) ::

Equipes do MAB estão em Brumadinho, Parque das Cachoeiras, Córrego do Feijão e Pará de Minas (MG), em brigadas de trabalho por toda a bacia do rio Paraopebas, para auxiliar as famílias atingidas.

Manifestações

Atingidos da cidade de Barra Longa (MG), distrito afetado pela rompimento da barragem de Fundão, em 2015, fecham um escritório da fundação Renova na cidade, em protesto contra o atraso nas reparações. Após três anos do crime, moradores seguem sem reassentamento e renda, e com acesso à saúde prejudicado. 

A Frente Brasil Popular protagonizou duas manifestações contra o modelo predatório da extração de minérios no estado. Militantes ocuparam a sede da Vale em Governador Valadares (MG), alegando que o município foi atingido pelo crime das empresas Vale, BHP Billiton e Samarco em 2015, e até hoje os moradores sofrem com as consequências da lama. Outro grupo, com cerca de 300 pessoas, trancou a estrada de escoamento da mineradora Ferrous, em Serra Azul (MG), a cerca de 3 km de Brumadinho, no início da tarde. Os manifestantes paralisaram os trens e caminhões da mineradora.

Segundo os militantes, a empresa continua levando minério de ferro da região, mesmo após o rompimento da barragem Mina do Feijão, que despejou 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos no rio Paraopeba.

“A gente fica por entender. Porque do outro lado tem a notícia que tem centenas de trabalhadores assassinados pela lama da Vale. Ao mesmo tempo, as empresas de mineração de Brumadinho continuam trabalhando”, afirma Cristiano Meirelles, da coordenação estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). De acordo com Meirelles, a mineradora intensificou o número de veículos carregados de minérios de ferro nos últimos dias.

Entre a população atingida em Serra Azul, está a Aldeia Pataxó Hã Hã Hãe e os Acampamentos Pátria Livre e Zequinha, ambos do MST. As duas primeiras áreas foram criadas juntas, numa ação de solidariedade entre sem-terras e indígenas, numa jornada de lutas realizada em 2017 que já denunciava as mineradoras da região e a corrupção da empresa MMX.

No final da tarde, em Belo Horizonte, ocorreu o "Ato de Luta Contra o Massacre da Vale em Brumadinho", em frente ao Memorial da Vale, com intervenções artísticas, velas e cartazes em protesto contra a atuação da empresa. A manifestação foi convocada por integrantes do MAB e do Movimento Pela Soberania Popular na Mineração (MAM), articulados em torno da Frente Brasil Popular Minas.

Resultados

Após manifestação de moradores, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) afirmou que vai desativar a barragem Casa de Pedra, em Congonhas (MG).

Também nesta quinta, a Justiça paralisou as atividades da Mineradora Ibirité, em Brumadinho. A decisão atende uma solicitação do Ministério Público de Minas Gerais. A barragem fica próxima à da mina Córrego do Feijão, que rompeu no último dia 25.

O dia de buscas termina com 71 corpos identificados, 238 pessoas sem contato ou desaparecidas, 192 resgatados e 108 desalojados.

O governo estadual informou, por meio de nota, que toda a água do rio Paraopeba está contaminada, e a população é orientada a não manter contato, nem ingerir o líquido. A orientação é manter uma distância de 100 metros do leito.

* Com informações de Lu Sudré e Larissa Costa, direto de Brumadinho (MG)

Edição: Daniel Giovanaz