Mobilidade

Em Curitiba, estudantes reivindicam a desburocratização do meio passe para transporte

Uma manifestação irá acontecer no próximo dia 28 organizado pela UPES, em frente ao Colégio Estadual do Paraná

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,

Ouça o áudio:

Contra o aumento da tarifa , movimentos sociais, estudantes e apoiadores realizaram protestos / Giorgia Prates

Luan Azevedo, estudante na Universidade Tuiuti, contou que mora no bairro Tatuquara e precisa atravessar a cidade para estudar. Filho de mãe solteira, não tem registro nos documentos do pai já falecido. Mas mesmo sem esse registro do pai, para liberar o meio passe para o transporte público a Prefeitura solicitou ao estudante que trouxesse uma certidão de óbito.  “Expliquei para eles que nunca o conheci, tanto que não existe o nome dele nos meus documentos”, disse. O relato aconteceu durante a audiência pública “Democratizando o Transporte Público”, realizada na última sexta, 21, na Câmara Municipal de Curitiba, pelo mandato da Vereadora Professor Josete. 

A cidade de Curitiba não oferta passe livre aos estudantes, somente meia passagem que é também benefício para idosos e portadores de deficiência. Um estudante curitibano para conseguir meio passe precisa apresentar RG, CPF, comprovante de residência, comprovante de renda de pai e mãe e também do estudante. Um documento emitido pela URBS deve ser assinado pelo estudante se comprometendo que não irá trabalhar enquanto receber o benefício.

A União Paranaense dos Estudantes (UPES) irá realizar um protesto contra a burocratização para o acesso ao meio passe,  no próximo dia 28, às 13h, em frente ao Colégio Estadual do Paraná.  “Nossa reivindicação é essa, que se faça a desburocratização desse processo. Não tem impacto nenhum para os cofres públicos descomplicar. O que dá impressão é que se dificulta o acesso a este direito. Lembrando que não temos nem o passe livre”, diz Luan que cita como exemplo São Paulo: “São Paulo também é um bom exemplo, que acontece com contato direto da Faculdade com a Prefeitura. O que importa é ser estudante”.

Cidades brasileiras que tem passe livre

O site FreePublicTransport lista mais de 60 cidades que têm transporte gratuito e, entre elas, sete são brasileiras:  Potirendaba (PR), Paulínia (SP), Muzambinho (MG), Pitanga (PR), Ivaiporã (PR), Porto Real (RJ) e Agudos (SP). Paulínia, a 119 km da capital paulista, têm mais de 80 mil habitantes e foi a última da lista de cidades brasileiras a implantar o sistema.  

Passe livre se refere à uma gratuidade na tarifa do transporte coletivo, enquanto meio-passe aborda o corte de metade da tarifa para uma parcela da sociedade, como idosos, pessoas com deficiência e estudantes. 

 

Edição: Laís Melo