Religião

PT avalia que a esquerda deveria dar mais atenção ao povo evangélico

Análise foi feita em encontro que ocorreu nesta sexta-feira (05) em São Paulo (SP) para debater o tema

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Evento reuniu pessoas de várias cidades e contou com a participação da presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, e da deputada Benedita da Silva
Evento reuniu pessoas de várias cidades e contou com a participação da presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, e da deputada Benedita da Silva - João Heitor

Com louvores e orações, começou nesta sexta-feira (05) o I Encontro de Evangélicos e Evangélicas do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo, organizado pela Fundação Perseu Abramo. Participaram do evento fiéis e pastores de 12 estados do país.

Continua após publicidade

A mesa de análise de conjuntura contou com a presença da deputada federal Benedita da Silva (PT) e da presidenta do partido, Gleisi Hoffmann, além de Lúcio Centeno, da Frente Brasil Popular, e Isabel dos Anjos, da Fundação. 

Continua após publicidade

Formas de se aproximar dos evangélicos -- considerados um dos principais grupos de apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) -- e a retomada dos trabalhos de base estavam entre as pautas centrais do evento, que vai até sábado (06).

Continua após publicidade

A mesa convidada debateu o avanço da extrema-direita no âmbito global e os desafios para o próximo período a partir da eleição de Bolsonaro. Junto a isso, os ataques aos direitos sociais a partir da flexibilização do porte de armas e da Reforma da Previdência, o fortalecimento dos movimentos sociais e a prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram tema da conversa. 

Continua após publicidade

Para Benedita, houve um erro da esquerda de não saber dar atenção ao povo evangélico. Ela acredita que é preciso relembrar o espiritualismo e a religiosidade ao fazer política. “Temos que olhar de Gênesis ao Apocalipse e encontrar exatamente o que devemos fazer. Lá estão as instruções necessárias para uma luta de classes que se instalou no mundo. Não existe algo mais revolucionário que a bíblia”. Disse ainda que o caráter revolucionário do evangelho tem o poder de mudar a vida das pessoas e mudar a autoestima, e é desse evangelho que se precisa falar. 

“Temos que chegar ao povo evangélico mostrando tudo o que foi construído por Lula e por nossa Constituição Federal, que está sendo jogado fora. O PT nasceu das discussões das comunidades de base, influenciado pela linha cristã e pelos ensinamentos de Jesus Cristo. É o partido da vida, do respeito e do amor”, acrescentou Gleisi. 

A presidente ressaltou a necessidade ir ao encontro da base evangélica que, enganada pelas fake news e por pastores conservadores, elegeu Bolsonaro, mesmo tendo sido eleitores de Lula. “Os militantes evangélicos do PT têm o grande desafio de conversar com a totalidade do povo evangélico para mostrar a verdade”, disse. 

Lula também foi o melhor presidente para a população evangélica, empoderando a iniciativa das igrejas e respeitando todas as religiões, acredita Benedita. A prisão política do ex-presidente foi denunciada na maioria das falas do evento. “Lembrai-vos dos presos como se estivésseis presos com eles. (Hebreus 13:3-13). Não podemos deixar o Lula naquela cadeia. É preciso que a gente ouça o que o espírito diz a igreja.”

Para Luis Sabanay, teólogo, pastor presbiteriano e assessor da Secretaria Nacional de Movimentos Populares do PT, é preciso reconhecer que o povo latino-americano é um povo de fé e a religião faz parte do cotidiano popular. “A primeira ideia do evento é entender qual o papel e onde estão esses evangélicos na sociedade. A segunda grande questão é fazer o enfrentamento da conjuntura”, disse. 

O ex-presidente da Associação Evangélica Brasileira e um dos fundadores da Frente de Evangélicos Pelo Estado de Direito, pastor Ariovaldo Ramos, disse que a direita conseguiu vender para os evangélicos que a esquerda é o “inimigo comum”. 

"[Eles dizem que nós vamos] acabar com a igreja, transformar a índole do meu filho, da minha filha. Aí para você dizer o contrário não é simples”.

Já Edin Sued Abumanssur, professor de sociologia da religião na PUC-SP, ponderou que a ideia de que os evangélicos tenham sido a principal base de apoio para eleger Bolsonaro.

"Os evangélicos não são nem de direita nem de esquerda. Dizer que os evangélicos elegeram Bolsonaro é um equivoco. Quem os evangélicos ajudaram a eleger no Maranhão? Um governador do PCdoB. Às razões para o evangélico votar em A ou B são as mesmas razões para qualquer pessoa votar em A ou B." E concluiu: "O evangélico não votou no Bolsonaro porque é evangélico, votou porque 57 milhões de pessoas votaram no Bolsonaro".
 

Edição: Aline Carrijo