Crise

Unidade da BRF suspende atividades após queda na venda a árabes no governo Bolsonaro

Acordo coletivo para suspensão temporária dos contratos de trabalho foi aprovado nesta segunda (22) em Carambeí (PR)

Brasil de Fato | Curitiba (PR)

,

Ouça o áudio:

Se vendas não retomarem, trabalhadores podem ser demitidos / Foto: Divulgação

Por excesso de estoques e baixa demanda, a direção da BRF, uma das maiores empresas brasileiras de alimentos, comunicou aos funcionários da planta de Carambeí (PR), município vizinho a Ponta Grossa (PR), que pretende suspender a produção por 60 dias, a partir de junho, medida que pode chegar a até cinco meses.

O acordo coletivo para suspensão temporária dos contratos de trabalho, conhecido como lay-off, foi aprovado nesta segunda-feira (22) em assembleia. Nesse período, os colaboradores receberão uma bolsa qualificação profissional, modalidade de seguro-desemprego concedida ao trabalhador com contrato de trabalho suspenso. Se as vendas aos países árabes, principais compradores, não voltarem ao normal, cerca de 1,5 mil pessoas podem perder o emprego. 

:: Rompimento entre países árabes e Bolsonaro custaria ao Brasil US$ 11,5 bilhões ao ano ::

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Carambeí e Região, Wagner do Nascimento Rodrigues, explica que 90% da produção dessa planta é vendida para o "mundo árabe", com o chamado abate Halal, que segue preceitos muçulmanos. 

Embora a empresa não declare os motivos do excesso de estoque, Rodrigues atribui à postura do governo Bolsonaro boa parte da perda de mercados. “Na minha leitura, há reflexo da política externa do atual governo, da aproximação com Israel e por ter deixado de lado a política neutra que o Brasil tinha em relação aos conflitos dos árabes”, diz. 

Dos 1,5 mil trabalhadores contratados, apenas 300 seriam mantidos em atividades de manutenção e limpeza.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação da BRF, que confirmou que "a decisão de suspensão da produção na unidade reforça a estratégia já anunciada de manter os estoques em níveis adequados para a operação da companhia, ao mesmo tempo em que priorizará gestão da oferta para assegurar o equilíbrio do sistema produtivo".

Reflexos no Paraná 

A paralisação da unidade em Carambeí, além do risco aos empregos diretos, traz danos a toda a cadeia produtiva da região – a cidade tem pouco mais de 22 mil habitantes. O deputado estadual Tadeu Veneri (PT) afirma que o risco de desemprego pode ser multiplicado por três, por afetar as famílias que fornecem frangos para o abate, a maioria da agricultura familiar. 

“Para o Paraná foi terrível quando a BRF encerrou a planta de perus em Francisco Beltrão; 400 aviários da região foram fechados. Se parar a produção de frangos em Carambeí, muitos vão quebrar. A cadeia é integrada, não tem para quem vender", argumenta.

Outro ponto destacado por Veneri é a inoperância do governo do estado do Paraná. “Até onde tenho conhecimento, há total ausência do poder público nisso, da Secretaria de Indústria e Comércio, da Agricultura, do governador, etc, em resolver esse problema”. 

O governo estadual não respondeu ao contato da reportagem.

 

 

Edição: Laís Melo